Conectado por

Amazonas

Homens do Exército devem atuar no Sul do Amazonas por 60 dias

Publicado por

em

Homens do Exército Brasileiro devem permanecer em Apuí, Sul do Amazonas, por pelo menos 60 dias. A cidade é uma das dez localidades do país com o maior índice que queimadas. As ações de combate terão início nesta quarta-feira (4).

Militares utilizam um ginásio da cidade como base para os trabalhos. Agentes do Ibama e Bombeiros também participam da força-tarefa.

“Preparamos o nosso pessoal durante a semana, especializamos 160 militares coordenados pelo Corpo de Bombeiros para trabalharem no combate a incêndio”, disse o general Marcus Vinicius Fontoura de Melo.

Na região de Apuí, os focos de incêndio deixam um rastro de destruição na floresta. O fogo consome a mata e deixa o céu cinza em razão da fumaça.

O agricultor Carlos Dos Santos acredita que a presença das Forças Armadas deve ajudar a reduzir as queimadas e o desmatamento ilegal.

“É muito importante isso aí para combater o nosso Apuí, o nosso amazonas né, que estão desmatando todos, fumaça… então, muito fazendeiros de fora desmatando Apuí todo, derrubando todo o Apuí, Novo Aripuanã entendeu, Humaitá… então, a gente é muito importante o exército chegando aqui no nosso município combater isso aí entendeu?, disse.

Somente nos primeiros dias de setembro, foram registrados 1.514 focos de queimadas no bioma Amazônia, de acordo com o sistema de monitoramento de focos ativos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Do início de janeiro até o dia 2 de setembro de 2019, o bioma Amazônia acumula 48.339 focos de queimadas. No mesmo período do ano anterior, foram 24.467 focos. Ou seja, o número total de focos quase dobrou desde o início deste ano, em comparação com o ano passado.

A média mensal dos últimos anos para setembro no bioma Amazônia é 33.426 focos. O recorde para o mês foi atingido em 2007, quando o índice chegou a 73.141 focos.

Maior número em 9 anos

O mês de agosto deste ano terminou com o maior número de focos desde 2010 e registrou índice 19% acima da média dos últimos 21 anos. As queimadas no bioma Amazônia aumentaram 196% em agosto, chegando a 30.901 focos ativos, ante 10.421 no mesmo mês do ano passado.

A média de focos do mês de agosto foi ultrapassada no dia 25, quando o site do Inpe indicava 25.934 focos de incêndio no bioma.

(*Colaborou, Alexandre Hisayasu, da Rede Amazônica)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *