Conectado por

Saúde

Hemotórax: Definição, clínica, diagnóstico, tratamento, possíveis complicações


Compartilhe:

Publicado por

em

O que é hemotórax?

Hemotórax é uma coleção de sangue que se acumula entre a parede torácica e os pulmões ou, mais especificamente, entre as lâminas pleurais. Essa área onde o sangue pode se acumular é conhecida como cavidade pleural. Normalmente é uma cavidade apenas virtual que, no entanto, pode ser preenchida com vários tipos de fluidos.

Quais são as causas do hemotórax?

O acúmulo de sangue no tórax pode ter várias causas. É mais comum após ferimentos contusos ou cirurgias que incluem a abertura da parede torácica, especialmente a cirurgia cardíaca ou pulmonar e, também, grandes traumas no tórax. Exemplos dessas eventualidades incluem queda para a frente ou um acidente de carro, por exemplo. Ser ferido ou esfaqueado no peito também pode causar vazamento de sangue na cavidade torácica e causar hemotórax.

O hemotórax também pode acontecer comumente como uma complicação de qualquer grande cirurgia que tenha de fazer uma abertura na parede torácica, e não só na cirurgia cardíaca ou pulmonar. O sangue pode vazar para a cavidade torácica se não coagular adequadamente após o cirurgião fechar as incisões, ou se um órgão ou vaso for seccionado e deixar vazar sangue.

Certas condições patológicas que fazem com que o sangue não coagule adequadamente também podem causar hemotórax. Outras possíveis causas de hemotórax incluem câncer nos pulmões, tumores cancerosos na parede torácica, rompimento de uma grande veia por acidente quando um cateter é inserido nela, infarto pulmonar e tuberculose. Um hemotórax espontâneo também pode acontecer durante a gravidez ou após o parto.

Qual é a fisiopatologia do hemotórax?

O sangramento no espaço pleural pode ocorrer praticamente a partir de qualquer ruptura da parede torácica e da pleura ou de estruturas intratorácicas. A resposta fisiológica ao desenvolvimento de um hemotórax se manifesta em duas áreas: (1) hemodinâmica e (2) respiratória.

As alterações hemodinâmicas variam dependendo da rapidez da quantidade da perda de sangue. Se essa perda de sangue for de até 750 ml, não deve causar alteração hemodinâmica significativa. Se ficar entre 750-1500 ml, causará os primeiros sintomas de choque. Sinais significativos de choque ocorrem com perda sanguínea de mais de 1500 ml. Como a cavidade pleural pode conter 4 litros ou mais de sangue, a hemorragia interna pode ocorrer sem evidências externas de perda sanguínea.

O acúmulo de uma grande quantidade de sangue dentro do espaço pleural pode dificultar os movimentos respiratórios normais. Nos casos de trauma, podem ocorrer anormalidades de ventilação e oxigenação, especialmente se associadas a lesões na parede torácica. Uma coleção grande de sangue faz com que o paciente tenha dispneia (alterações respiratórias relatadas como “falta de ar”) e possa produzir taquipneia (aumento da frequência respiratória).

O volume de sangue necessário para produzir esses sintomas em um determinado indivíduo varia dependendo dos órgãos lesados, da gravidade da lesão e da reserva pulmonar e cardíaca subjacentes. A dispneia é um sintoma comum nos casos em que o hemotórax se desenvolve de maneira insidiosa, como os secundários à doença metastática. A perda de sangue nesses casos não é tão aguda a ponto de produzir uma resposta hemodinâmica visível e a dispneia é frequentemente a queixa predominante.

Quais são as principais características clínicas do hemotórax?

O acúmulo de sangue entre as lâminas da pleura pode eventualmente causar o colapso do pulmão quando o sangue comprime a parte externa do órgão. Os sintomas mais comuns do hemotórax incluem dor ou sensação de peso no peito, ansiedade ou nervosismo, dispneia ou dificuldade em respirar, respiração rápida, pulso rápido, suores frios, pele pálida e febre acima de 38° C.

Como o médico diagnostica o hemotórax?

O médico pode solicitar vários exames de imagens do tórax e dos pulmões para compreender o que está causando o sangramento, especialmente se o paciente tiver uma lesão grave no peito. A tomografia computadorizada pode mostrar as estruturas em torno do tórax e dos pulmões. Radiografias podem mostrar se algum osso foi quebrado ou se o paciente foi ferido em qualquer outra parte do peito ou abdômen.

Se o médico suspeitar de uma condição subjacente que esteja causando o hemotórax, ele pode recomendar exames de sangue ou de imagem adicionais para diagnosticar e tratar adequadamente essa condição.

Como o médico trata o hemotórax?

A primeira providência deve ser garantir que o paciente receba oxigênio suficiente, o que pode ser garantido por um aerador ou um tubo inserido no nariz ou na traqueia, para apoiar a respiração.

Em seguida, o tratamento mais importante para o hemotórax é drenar o sangue da cavidade torácica, mediante uma toracocentese (aspiração por agulha), com colocação de drenos. O tubo pode permanecer no peito por vários dias se o pulmão entrar em colapso. Se o sangramento persistir, mesmo enquanto o tubo drena o sangue, uma toracotomia (cirurgia torácica) pode ser necessária para tratar a causa do sangramento.

Quais são as complicações possíveis do hemotórax?

O sequestro de grande quantidade de sangue pode levar ao choque hipovolêmico (choque causado pela baixa quantidade de sangue circulante). Entrar em choque hipovolêmico pode causar danos orgânicos permanentes ou por longo prazo, incluindo ao coração, aos pulmões e ao cérebro.

O sangue que entra na cavidade torácica pode infectar o líquido na área em torno dos pulmões. Este tipo de infecção é conhecido como empiema. Uma infecção por empiema não tratada pode levar à sepse, que ocorre quando a infecção ocorre em todo o corpo. A sepse pode ser fatal se não for tratada rapidamente.