Conectado por

Economia

Governo abre novo prazo para cidadão contestar auxílio de R$ 300 negado

Publicado por

em

OMinistério da Cidadania vai abrir, neste sábado (31/10), um novo prazo de contestação do auxílio emergencial extensão de R$ 300 negado. O pedido deverá ser feito no site da Dataprev (clique aqui) até 9 de novembro.

Continua após a publicidade

A ação é voltada para os cidadãos que receberam o auxílio emergencial de R$ 600, mas que foram considerados inelegíveis e, portanto, não receberam nenhuma parcela da extensão de R$ 300 do benefício residual.

No último sábado (24/10), o governo abriu a contestação para cidadãos que receberam ao menos uma parcela de R$ 300 e que, após a revisão do sistema de banco de dados, tiveram o benefício cancelado. Nesse caso, o prazo se encerra já nesta segunda-feira (2/11).

Em ambas as situações, para realizar o pedido de contestação do auxílio extensão negado não é necessário se dirigir a nenhuma agência da Caixa Econômica Federal, lotérica ou posto de atendimento do Cadastro Único.

Para contestar, basta acessar o site da Dataprev. Será preciso informar CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento. A plataforma vai mostrar o motivo da negativa, além da opção para fazer a contestação.

A medida não vale, contudo, para beneficiários do Bolsa Família que tiveram o auxílio emergencial residual negado. Os critérios de contestação para esse grupo serão divulgados em breve pelo Ministério da Cidadania.

Como mostrou o Metrópoleso governo vai fechar o prazo de contestação do auxílio emergencial extensão antes mesmo que milhares de beneficiários saibam se vão ou não receber as novas parcelas de R$ 300 — e, portanto, tenham informação suficiente para decidir se devem ou não reclamar.

Isso porque a pessoa poderá conferir se vai receber as novas cotas de R$ 300 somente após o recebimento da quinta parcela de R$ 600 — até o momento, cerca de 8,1 milhões de pessoas só receberam até a quarta parcela.

Essa dúvida paira na mente de quem recebeu a primeira parcela do auxílio emergencial após junho. Por outro lado, cerca de 51,4 milhões de pessoas já ganharam a última cota de R$ 600.

A situação se agrava uma vez que o governo informou que cerca de 5,7 milhões de pessoas que recebem, ou receberam, o auxílio emergencial de R$ 600 foram bloqueadas e não vão ganhar o benefício residual de R$ 300.

Metropoles