Conectado por

Agronegócios

Frango, boi e suíno vivos: desempenho em maio e nos cinco primeiros meses de 2019


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Independentemente de os resultados abaixo serem preliminares, está claro que em maio, enfim, o suíno começou a desencantar: obteve no mês aumento de 5,61% e, em relação a maio de 2018, apresenta variação de 45%, índice que o aproxima do frango vivo, cujo preço permanece mais de 50% acima do registrado um ano atrás. Isto, ainda que o incremento registrado de abril para maio corrente tenha sido mínimo (+1,41%).

Nesse cenário, o mais fraco desempenho recaiu sobre o boi em pé, dado que sua cotação tende a uma redução próxima de 2% sobre o mês anterior e a um aumento pouco superior a 11% em relação a maio de 2018.

Notar, de toda forma, não só que esse é o comportamento natural do mercado do boi neste período, mas também que os desempenhos do frango e do suíno representam exceção. Ou seja: considerado o comportamento sazonal dos animais produtores de carnes (safra e entressafra) é no bimestre maio-junho de cada exercício que – puxados pelo boi – os preços das três carnes se retraem aos mais baixos patamares do ano.

Isso só não vem ocorrendo com o frango e o suíno porque o mercado internacional, frente à crise de abastecimento desencadeada pelo surto de Febre Suína Africana na Ásia e em outros continentes, está demandando mais produto. Porém, no tocante ao frango, especificamente, pesa também o fato de a atual capacidade de produção do setor ter decrescido em relação aos três anos anteriores (vide, a propósito, “volume de matrizes de corte alojadas em 2018 foi inferior ao de 10 anos antes”).

Em outras palavras, a avicultura de corte, como não se via há anos, opera com um potencial produtivo bem mais ajustado às necessidades do mercado. O que não significa que a situação do setor seja extremamente confortável. Basta observar, a propósito, que a evolução de preços do frango nestes cinco primeiros meses de 2019, embora 24% superior à de idêntico período de 2017, não está muito acima da alcançada pelas duas principais matérias-primas do setor – milho e farelo de soja, cujos preços, no mesmo período, evoluíram também mais de 20%.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + dezesseis =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento