Conectado por

Featured

Ex-presidente de associação de procuradores trocou mensagem em aplicativo com pessoa que se identificou como hacker


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

O procurador regional José Robalinho Cavalcanti, ex-presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, trocou mensagens pelo aplicativo Telegram na noite desta terça-feira (11) com uma pessoa que se passou por um procurador integrante do Conselho Nacional do Ministério Público e, em seguida, afirmou ser um hacker. A informação foi divulgada em reportagem publicada pelo site da revista “Época”.

A Polícia Federal investiga a invasão ao celular do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e de procuradores da Operação Lava Jato. A corporação busca indícios sobre quem teve acesso de forma ilegal a conversas privadas e qual o método usado pelos hackers.

No último domingo, o site “The Intercept” divulgou trechos de conversas de procuradores da Lava Jato e entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol pelo Telegram. Nas mensagens, o ministro, então juiz da Lava Jato, dá orientações e opina sobre como proceder com as investigações. Segundo o site, as conversas foram passadas por uma fonte anônima antes da invasão pelos hackers.

De acordo com a reportagem divulgada na manhã desta quarta por “Época”, o procurador Robalinho, candidato à lista tríplice para ser o novo procurador-geral da República, recebeu mensagens enviadas como se partissem de Marcelo Weitzel, que foi procurador-geral da Justiça Militar.

Áudios enviados por procuradores

A reportagem informou que o suposto hacker enviou a Robalinho um áudio trocado entre procuradores da Lava Jato e informou que aquele conteúdo em breve sairia na imprensa, como forma de fazer o procurador emitir uma opinião a respeito.

Seriam provocações para que Robalinho criticasse a conversa dos procuradores, mas ele respondeu que não via nada de errado, que aquilo fazia parte de negociações do Ministério Público e explicou como a Justiça agia naquele caso. Robalinho disse à revista ter respondido apenas “tecnicamente” e que considera não haver nada de mais nos áudios.

Após novas tentativas, sem sucesso, de fazer Robalinho se posicionar sobre o tema, a pessoa acabou informando não era o procurador Witzel quem enviava as mensagens, mas sim um hacker.

‘Sou o hacker. Quer falar comigo?’

“Não sou o Marcelo. Sou o hacker. Quer falar comigo?”, perguntou a Robalinho, segundo “Época”. A pessoa teria continuado tecendo comentários sobre a Lava Jato e sobre colegas do MPF. Em seguida, afirmou que trabalha sem nenhuma razão política.

“Eu não tenho ideologias, não tenho partidos, não tenho lado, sou apenas um funcionário de TI [tecnologia da informação]”, escreveu o hacker.

“Tive acesso a tudo”, completou, sem detalhar a que conteúdo se referia.

Robalinho informou à TV Globo que ficou espantado e repassou o áudio enviado pelo hacker aos dois procuradores que participam do diálogo, para que eles tomem as medidas necessárias em relação às investigações.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + quinze =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento