Conectado por

Mato Grosso

Escolas deixam de descartar 1,6 toneladas de restos de alimentos no meio ambiente com projeto da Prefeitura


Compartilhe:

Publicado por

em

As Escolas Municipais de Educação Básica (EMEB) Madre Marta Cerutti, EMEBC Nossa Senhora da Penha de França, Nova Esperança, Profª. Hilda Caetano de Oliveira Leite e Profª. Benedita Xavier Rodrigues deixaram de descartar 1,6 toneladas de restos de alimentos no meio ambiente por conta do Projeto Biogás e Eco-Alfabetização na Escola Cuiabana. Nesta sexta-feira (22), o prefeito Emanuel Pinheiro visitou uma das unidades contempladas pelo projeto.

Na EMEB Madre Marta Cerutti, no bairro Bela Vista, o prefeito conheceu o sistema, ouviu técnicos e alunos, e disse que após a avaliação dos primeiros resultados e análises de viabilidade, a iniciativa deve ser ampliada para outras unidades educacionais da rede pública municipal de ensino.

“O projeto Biogás e a Eco-Alfabetização é uma bandeira de quem defende o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. É um projeto pioneiro, de uma gestão que se preocupa em preparar as nossas crianças, desde a mais tenra idade, na fase da Educação Infantil, para a conscientização da sustentabilidade, da preservação do meio ambiente e dos benefícios que isso pode trazer para a sociedade, no futuro. Esse projeto piloto já é um sucesso, em relação à economicidade, gestão, sustentabilidade e, o mais importante, está preparando o nosso maior patrimônio, as nossas crianças para a conscientização do desenvolvimento sustentável, do respeito ao Meio Ambiente e de que depende de cada um de nós, a construção de uma Cuiabá melhor para se viver”, ressaltou o Prefeito Emanuel Pinheiro.

O equipamento, israelense, foi implantado em cinco unidades da rede, uma delas urbana, entre os meses de julho e agosto deste ano. Segundo a engenheira agrônoma da Secretaria de Educação, Edilaine Cristina da Silva Almeida o projeto vem demonstrando resultados preliminares bastante positivos.

“O projeto encontra-se na fase de avaliação, pois não finalizou o período de testes, previsto para seis meses. Mas podemos falar de alguns resultados preliminares como a mudança de hábitos em relação ao descarte de resíduos produzidos na escola e em casa e os inúmeros trabalhos realizados de incentivo à criatividade e descobertas no campo do conhecimento, possibilitando que o aluno seja o ator principal do seu aprendizado”, disse Edilaine.

Cada unidade já produziu em média, até o momento, 80 litros biofertilizante em 4 meses, que estão sendo utilizados nas hortas e canteiros das unidades que participam do projeto.

“Com relação ao biogás, percebemos uma economia em relação ao uso do gás GLP, além disso, é bastante eficiente e com alto poder calorífico. Porém, o quanto foi economizado teremos os primeiros números, ao final dos seis meses, tempo de avaliação do projeto”, explicou ela lembrando que o modelo escolhido para o projeto piloto está relacionado à segurança física, química e microbiológica que oferece aos alunos e professores, sendo esse um item positivo na avaliação.

O secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira Passos disse que a ideia é trazer a Educação Ambiental, para a prática cotidiana dos estudantes. “A instalação de biodigestores nas escolas públicas do município é mais um projeto da gestão inovadora do prefeito Emanuel Pinheiro, com grande utilidade educacional, ambiental, econômica e social, trazendo economia, reduzindo o volume de resíduos sólidos descartado pela escola e mostrando aos alunos a importância da educação ambiental na prática cotidiana”, disse o secretário Alex Vieira Passos.

Acompanharam a visita a secretária-adjunta de Educação, Edilene Machado, a diretora geral de Gestão Educacional, Mabel Strobell, diretora de Ensino, Zileide Lucinda dos Santos, a diretoa de Planejamento e Orçamento, Rosa Tonon Rossi, gestores da Secretaria Municipal, gestores escolares, alunos e professores. Também esteve presente o presidente do Conselho Municipal de Educação, Luiz Jorge.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *