Conectado por

Cuiabá-MT

Emanuel estuda transformar UTIs pediátricas vazias em adultas para abrir vagas em sistema colapsado


Compartilhe:

Publicado por

em

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), negou que tenha decidido desabilitar os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátricos que atendem casos de Covid-19 sob a gestão da Prefeitura da Capital. A informação, segundo ele, constava em nota da Sociedade Matogrossense de Pediatria (Somap). O emedebista, no entanto, admitiu que estuda transformar os leitos pediátricos em adulto, em razão da inatividade.

“Tomei conhecimento de uma nota da Somap, não quero polemizar com uma instituição tão importante, mas quero esclarecer que não corresponde à verdade. É um equivoco muito grande dizer que estávamos desabilitando leitos da UTI pediátrica para transformar em leitos da UTI adulto. No entanto, graças a Deus, há quase 90 dias a taxa de ocupação [nos leitos pediátricos] é zero. Uma ou duas crianças estiveram nesta UTI. Então, pondero que, caso haja aumento maior e o colapso seja uma realidade diária, que não se tenha leitos pediátricos vazios, enquanto adultos, idosos, morrem à espera de uma vaga”, disse o prefeito.

Cuiabá mantém atualmente, segundo a Prefeitura, 15 leitos de UTI’s pediátricas no antigo Pronto-Socorro, onde funciona o Hospital de Referência para pacientes com Covid-19. De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (SES-MT), no entanto, somente 5 desses estão ativos, apesar de habilitados.

Olhar Direto questionou tanto a Prefeitura quanto a SES-MT sobre a divergência. Conforme o Município, já foi solicitado que o Governo do Estado atualize o boletim. A SES-MT, por sua vez, afirmou que a atualização dos leitos ativos é feita diariamente e que, até o momento, não foi notificada sobre a disponibilidade dos 10 leitos que não constam no documento.

Até o fechamento desta reportagem, a taxa de ocupação nas UTI’s pediátricas da Prefeitura de Cuiabá era de 0%. Os leitos de UTI’s adulto do Hospital Referência, no entanto, já se esgotaram. No Hospital São Benedito, onde a gestão municipal também mantém leitos de UTI adulto para tratar Covid-19, a taxa de ocupação é de 95%. Em todo o Estado, restam apenas 14 leitos de UTI adulto disponíveis.

“Vocês acham justo ter 13, 14 leitos pediátricos vazios, enquanto os adultos estão lotados e eu não poder tirar um adulto da fila porque é pediátrico? Essa discussão que eu estou levantando, vou provocar o MPE, entidades, especialistas. Graças a Deus não temos crianças nestes leitos. Não desativamos, não fizemos, nosso objetivo é salvar vidas”, pontuou Emanuel.

OLHARDIRETO