Conectado por
Governo de Rondônia

Rondônia

Em resposta ao deputado Anderson, Sesau esclarece esforço redobrado na expansão de leitos de UTIs para Covid

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Secretaria destacou que a maior dificuldade que vem enfrentando é a falta de profissionais da saúde para atuarem nas UTIs

Após o deputado estadual Anderson Pereira (PROS) encaminhar ofício para o Governo do Estado e Secretaria de Estado da Saúde (SESAU) cobrando informações sobre o quantitativo de leitos de UTI para tratamento de pacientes com COVID-19 e de profissionais que atuam nestas unidades em todo o Estado de Rondônia, de pronto a secretaria de saúde enviou a resposta ao gabinete do parlamentar.

De acordo com o ofício nº 1488/2021/SESAU-ASTEC, a SESAU tem empreendido diversas estratégias no sentido de fortalecer a capacidade instalada de leitos nas macrorregiões e regiões de saúde de Rondônia, tanto da rede estadual como através de apoio aos municípios.

Firmou convênio com os municípios de Ariquemes, Ji-Paraná e Vilhena para atendimento exclusivo dos pacientes da COVID-19 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva – UTI e leitos clínicos (pós-UTI), para aumentar a demanda e não deixar a população dos municípios desassistida.

Há relatos sobre dificuldades para conseguir vagas em hospitais do Estado há, ao menos, duas semanas. Diante do preocupante aumento de casos, o governo de Rondônia decidiu reabrir leitos do hospital de campanha para receber pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Em todo o Estado, há leitos que não estão em funcionamento por falta de profissionais de saúde, segundo a Secretaria. A pasta relata que no Hospital de Campanha da Zona Leste está com 50 leitos de UTI, “dos quais 30 estão ocupados e os outros estão montados e equipados”, mas inativos por “dificuldades para contratar médicos”. Conforme a pasta, diversos profissionais de saúde foram convocados por meio de editais de chamamento para início imediato. Porém, segundo a secretaria, o número de médicos que se apresentaram foi insuficiente para suprir a atual demanda do Estado.

Para tentar atrair novos profissionais, o governo de Rondônia publicou uma norma que define uma gratificação de até R$ 5.000 por mês para médicos que atuarem em locais que atendam pacientes com a covid-19. Segundo a medida, assinada pelo governador do Estado, Coronel Marcos Rocha, a gratificação começa a partir de R$ 1.250 e aumenta conforme o nível de dificuldade de atendimento da unidade de saúde.

Para especialistas, a população de Rondônia, assim como em diversas partes do país, afrouxou o isolamento social no fim de 2020, em meio ao período de eleições e de festas de fim de ano. A situação crítica atual é um reflexo completamente direto desse relaxamento das medidas de isolamento social. As festas de dezembro, por exemplo, promoveram uma transmissão de covid mais elevada que o normal.

Devido a falta de responsabilidade de algumas pessoas que realizam festas clandestinas, o governo teve que endurecer medidas restritivas no decreto com o fechamento de comércios e diminuição de horário de funcionamento de outros, causando um enorme prejuízo econômico aos empresários e risco de demissão em massa aos funcionários.

Neste sentido o deputado Anderson agradece a resposta da SESAU e espera que a população se proteja, mantendo o distanciamento social, fazendo corretamente o uso de máscara e mantendo as mãos sempre limpas com álcool em gel, só assim haverá diminuição no quadro de infectados e consequentemente menor procura por leitos de UTIs. “Fazendo nossa parte, com certeza estaremos cada vez mais perto de uma solução eficiente e que salve vidas”, finalizou Anderson Pereira.

Texto: Assessoria

Foto: Marcos Figueira-ALE/RO