Conectado por

Estudo

Doenças pioram visão e COVID-19, diz pesquisa

Publicado por

em

Pesquisa mostra que diabetes e hipertensão arterial são frequentes nos casos graves de COVID-19. Entenda.

Continua após a publicidade

Pesquisa do Ministério da Saúde (MS) mostra que no Brasil 72% das mortes por COVID-19 aconteceram entre maiores de 60 anos até 20 de abril. O

levantamento do MS revela que desses, 38% tinham diabetes e 53% hipertensão arterial, uma clara evidência do risco que estas doenças representam durante a pandemia. A pasta também divulga que mais da metade dos brasileiros nesta faixa etária (59%) têm hipertensão arterial e 20% são diabéticos. Significa que se forem contaminados pelo Sars-Cov-2 podem ter graves complicações sistêmicas e oculares.

Diabetes

De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier tanto o diabetes como a hipertensão arterial podem causar lesões nos vasos da retina e provocar a perda definitiva da visão se a doença não for diagnosticada e tratada em estágio inicial.  O especialista afirma que independe da idade o diabetes também dobra o risco de surgir catarata. “Não se trata de uma doença de idosos. A catarata é multifatorial. Pode ser causada por diabetes, hipertensão arterial, alta miopia, lesão ou trauma ocular e até erros na alimentação como o excesso de sal”, esclarece.  Isso porque o consumo de sal acima dos 5 gramas/dia preconizado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) o equivalente a uma colher de chá, dificulta a manutenção da pressão osmótica entre as células do cristalino. “Isso significa que para a lente do olho manter a transparência requer baixo nível de sódio”, afirma.

Cirurgia livra míopes dos óculos
Queiroz Neto explica que o diabetes é causado pela produção insuficiente no pâncreas de insulina, hormônio que faz a glicose penetrar nas células. Também pode ser causado por resistência à insulina que impede a absorção celular. O oftalmologista   ressalta que depois da opacificação do cristalino o único tratamento é a cirurgia. “O procedimento é ambulatorial, feito com anestesia local e consiste na substituição da lente natural do olho pelo implante de uma lente intraocular. Independente do tipo de lente implantada, míopes renascem com a cirurgia porque ficam definitivamente livres dos óculos para enxergar à distância.

São Paulo lidera diabetes e COVID-19 no Brasil

A pesquisa do Ministério da Saúde mostra que de todas as regiões do Brasil a Sudeste teve o maior número de casos confirmados de COVID-19. O estado de São Paulo é o primeiro no ranking nacional com 35,9% dos casos e 40,2% das mortes confirmadas. A cidade de São Paulo também está entre as cinco com maior prevalência de diabetes (23,1%) e embora tenha uma das menores taxas de hipertensão arterial, a prevalência ainda é alta (53%).

A pesquisa aponta o estado do Rio de Janeiro como o segundo no ranking de COVID-19 com 12,1% dos casos confirmados e 16,4% das mortes. A cidade do Rio de Janeiro aparece com 57% da população com mais de 60 anos com hipertensão e 21,9% com diabetes. O terceiro estado elencado no ranking nacional é o Ceará com 8,6% dos casos de COVID-19 confirmados e 7,7% das mortes. A cidade de Fortaleza apresentou 25% da população com mais de 60 anos com diabetes e 54,1 com hipertensão arterial.

Hipertensão e visão

Queiroz Neto afirma que a hipertensão arterial nem sempre apresenta sintomas. Isso explica porque só metade dos hipertensos sabe que têm a doença, pondera. A falta de sintomas faz um em cada dois não seguir o tratamento após o diagnóstico. Significa que a cada 4 hipertensos 3 não têm controle da doença, conforme levantamento da SBH (Sociedade Brasileira de Hipertensão). “Este descontrole causa diversas comorbidades sistêmicas. Nos olhos pode causar a retinopatia hipertensiva, uma alteração nos vasos da retina que leva ao edema retiniano, catarata, descolamento da retina e glaucoma neovascular. Embora diferente da retinopatia diabética, ambas são diagnosticadas mediante retinografia e tomografia de coerência óptica que permitem ao oftalmologista visualizar todos os vasos retinianos.

O alto índice de mortes entre pessoas com COVID-19 apontado pelo levantamento do Ministério da Saúde está relacionado não só à faixa etária, como à diminuição da oxigenação no sangue, falência dos pulmões e formação de pequenos trombos em todo o organismo. Os finos vasos da retina são os primeiros a serem atingidos por terem a espessura de um fio de cabelo e é por isso que a prevalência de hipertensos nos casos graves de Covid-19 é tão alta”, explica

Tanto o tratamento da retinopatia diabética como da hipertensiva são feitos com fotocoagulação a laser, injeção anti-angiogênica e em caso de hemorragia o mais indicado é a cirurgia. O tratamento contínuo garante a visão até o fim da vida para a maioria das pessoas, conclui.