Conectado por

Nacional

Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil na Rua é marcado pela falta de informação e dados estatísticos


Compartilhe:

Publicado por

em

Meninos e meninas que trabalham diariamente em semáforos e vias movimentadas fazem parte da rotina das cidades, mas seguem invisíveis.

O dia 23 de julho é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil na Rua. A data chama atenção para um grande contingente de crianças e adolescentes em situação de trabalho, muito presentes no cotidiano da cidade, mas invisíveis para a sociedade e fora das estatísticas oficiais.

O comércio de produtos e as performances com malabares nos faróis de vias movimentadas são as principais atividades exercidas por essa população ao longo das últimas décadas. São atividades que expõem essas crianças e adolescentes a diversos riscos, como acidentes e abuso sexual, e por isso constam na lista das 93 piores formas de trabalho infantil criada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Apesar de sua gravidade, esse tipo de ocupação não aparece no Censo Demográfico e na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), ambos do IBGE. O resultado é que esses meninos e meninas acabam não sendo identificados, o que gera grande dificuldade para que sejam inseridos nas políticas sociais de enfrentamento e prevenção.

Resultado de imagem para Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio

 “Mesmo existindo no município um serviço específico que atua na aproximação de vínculos com as crianças em situação de trabalho nas ruas, estas não ingressam no atendimento pela rede de proteção, não estão inseridas nos programas socioassistenciais mantidos pelo município, nem nos programas de transferência de renda, mantendo-se, na prática, a situação de violação de direitos”, explica a procuradora do Trabalho do MPT-SP Elisiane dos Santos em sua tese “Trabalho infantil nas ruas, pobreza e discriminação: crianças invisíveis nos faróis da cidade de São Paulo.”

 A última Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD) que pode apontar essa situação é a de 2015. No estado de São Paulo havia 460 mil pessoas com menos de 18 anos trabalhando. Em relação ao município, não há levantamento recente, já que o próximo Censo ocorrerá apenas em 2020. Ainda assim, só computa as ocorrências de trabalho infantil dos 10 aos 17 anos, subdimensionando o problema. “Isso quer dizer que esse número de crianças trabalhando é maior”, conclui a coordenadora nacional da Coordinfância.

Movimentos da sociedade civil defendem que as pesquisas dos órgãos oficiais, como o IBGE, passem a contemplar também essas crianças que estão na rua. E a contribuição da imprensa é fundamental para que possamos combater essa violação de direitos, incluindo esse grupo em vulnerabilidade no radar das políticas públicas.

Neste dia 23 de julho, convidamos os veículos a refletirem sobre o tema, com a reportagem especial: “Trabalho Infantil nas Ruas de São Paulo é endêmico e fica fora das estatísticas”.

A reprodução do conteúdo é livre, desde que citada a plataforma jornalística onde está disponível: Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil (http://www.chegadetrabalhoinfantil.org.br). Colocamo-nos também à disposição para debater e difundir o tema.

Cidade Escola Aprendiz

A plataforma jornalística Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil, é uma iniciativa da Cidade Escola Aprendiz, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).

Na cidade de São Paulo, a organização desenvolve o projeto Chega de Trabalho Infantil, com o objetivo de sensibilizar a sociedade e o poder público para a questão, estimulando formas mais eficientes de prevenção e erradicação dessa que é uma das mais graves violações de direitos humanos.

“Culturalmente, o trabalho infantil ainda é bem aceito por grande parte dos brasileiros. Campanhas de comunicação são de fundamental importância para esclarecermos a gravidade do problema e ganharmos mais aliados para sua erradicação”, explica Roberta Tasselli, gestora de Comunicação para o Desenvolvimento da Cidade Escola Aprendiz. 

 

Assessoria de Imprensa

Agência Pauta Social

Evelyn Gatz [email protected]

(11) 951450071

Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil

Roberta Tasselli [email protected] 
Felipe Tau – [email protected] 
 (11) 3096 – 3900 
www.chegadetrabalhoinfantil.org.br.

 

Sobre a Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil – Desde 2016, a OSCIP paulistana Cidade Escola Aprendiz (cidadeescolaaprendiz.org.br) desenvolve o projeto Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil (www.chegadetrabalhoinfantil.org.br), iniciativa de comunicação especializada no enfrentamento ao trabalho infantil e na defesa dos direitos humanos.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento