Conectado por

Mato Grosso

DIA DO MEIO AMBIENTE: Parceria entre Fort Atacadista e Associação de Catadores de MT garante destinação sustentável de resíduos

Publicado por

em

Para lembrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado nesta sexta-feira (05.06), o Fort Atacadista reitera seu compromisso com as causas socioambientais. As unidades de  Cuiabá e Várzea Grande oferecem pontos de coleta de óleo vegetal usado e de materiais recicláveis à comunidade e clientes. Na loja em Várzea Grande, há mais de dois anos também funciona uma estação de coleta de resíduos, como papelão e plástico, em parceria com a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Mato Grosso Sustentável (Asmats).

Continua após a publicidade

“Todos os dias, a equipe de catadores realiza a coleta dos resíduos e encaminha para a empresa que compra e faz a destinação correta desses materiais, assim, mantemos essa parceria com o Fort Atacadista e também fazemos nossa parte com o meio ambiente”, explica Maria Aparecida do Nascimento, a Cidinha, que preside a Associação e lidera 62 catadores entre homens e mulheres. A maioria atuava há décadas no aterro sanitário de Várzea Grande, incluindo sua mãe, Icleide de Jesus Basílio, a Dona Nena, de 68 anos.

“Os fundadores da Associação trabalham no lixão de Várzea Grande há 25 anos. É o sustento de nossas famílias, mas também levamos conscientização sobre sustentabilidade”, diz Cidinha, que montou um grupo de educação ambiental e ministra palestras em escolas e empresas sobre o tema. A coleta é realizada com apoio da Prefeitura Municipal de Várzea Grande, que cede o caminhão.

Dona Nena preside o Conselho da Asmats e relembra os tempos difíceis no lixão, afirmando que hoje a realidade melhorou. “Tenho 26 anos nesse trabalho, passei por muitas dificuldades, às vezes pegava carona, ia andando ou de charrete para o lixão todos os dias, porque fica distante, mais mesmo assim tenho orgulho desse trabalho”, relata.

Outra integrante, a tesoureira Raiany Júlia Nascimento Curvo, de 24 anos, começou cedo a trabalhar no aterro sanitário de Várzea Grande, com apenas 10 anos. Hoje, além de atuar na coleta, ela participa do grupo que ministra palestras sobre educação ambiental. “Quando trabalhava no lixão o ambiente era insalubre e com a fundação da Associação conseguimos trabalhar em melhores condições”, relembra.

Por dia, a Asmats recolhe cerca de 600 kg de papelão da unidade Fort Atacadista em Várzea Grande e aproximadamente 150 kg de material plástico, que são enviados para a empresa de reciclagem. “Nós somos catadores e limpamos o meio ambiente. Também exercemos nosso trabalho em outros estabelecimentos, como condomínios, igrejas, restaurantes, hotéis, Secretarias no Centro Político Administrativo de Cuiabá, coletas em eventos, e no projeto Cidadão Ribeirinho do Tribunal de Justiça para recolher o lixo do Pantanal”, conta Cidinha, ao ressaltar que no Pantanal a equipe recolhe até geladeiras.

Educação Ambiental

Além do trabalho segmentado, a Associação de Catadores demonstra preocupação com o descarte sustentável dos resíduos. “As pessoas que não entendem sobre reciclagem deveriam buscar orientação. Nós temos palestras onde ensinamos a destinar corretamente o lixo, somos educadoras ambientais”, cita Taiara Andressa Nascimento, da equipe de educação ambiental da Asmats.

Segundo Taiara, materiais recicláveis, por exemplo, não podem ser misturados com orgânicos, como as sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes, sendo fundamental a separação. “Ensinamos o que é reciclagem e como fazer todo tipo de reaproveitamento”.

A Associação de Catadores foi fundada em 2016 e atua em conformidade com a lei específica que trata da destinação dos resíduos sólidos (Lei nº 12.305/10) e, através de parcerias com o Poder Público e empresas privadas como o Fort, conseguiu tirar os catadores do local insalubre no aterro sanitário. A Asmats recebeu um terreno para construção da sede, na região do Trevo do Lagarto.

A presidente Maria Aparecida do Nascimento possui formação pela Rede CFES-CO, pelo Ministério Público, Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e pela Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental (CIEA).

Fotos: Assessoria