Conectado por

Amazonas

Decreto que proíbe abertura de bares, praias e flutuantes no AM é prorrogado por mais 30 dias

Publicado por

em

O Governo do Amazonas prorrogou por mais 30 dias o decreto que proíbe o funcionamento de bares, praias e flutuantes por conta de um novo aumento de casos de Covid-19. A informação foi dada pelo governador Wilson Lima nesta terça-feira (27), em coletiva de imprensa.

Continua após a publicidade

A medida foi determinada no dia 24 de setembro, após quatro meses de flexibilização do isolamento. Até segunda-feira (26), mais de 4,4 mil pessoas morreram com a doença no estado.

O sistema público de saúde do Amazonas voltou a lotar por conta de internações de Covid-19. Nesse fim de semana, o Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento da doença, teve quase 100% de taxa de ocupação.

Em coletiva, o governador Wilson Lima voltou a descartar que o Amazonas esteja passando por uma segunda onda do novo coronavírusA primeira aconteceu entre abril e maio, quando houve colapso nos sistemas de saúde e funerário.

“Nós não temos indicativo de segunda onda, mas há algumas situações que tem nos deixado em estado de alerta”, disse. Lima descartou decretar “lockdown” em Manaus por conta do aumento.

Em Manaus, fiscalização fecha bares por descumprimento de medidas de proteção. — Foto: Divulgação/SSP-AM

Em Manaus, fiscalização fecha bares por descumprimento de medidas de proteção. — Foto: Divulgação/SSP-AM

O que segue proibido até 27 de novembro:

  • o acesso às áreas de praias para recreação;
  • o funcionamento de balneários e flutuantes;
  • o funcionamento de bares, mesmo que na modalidade restaurante.
  • a realização de eventos em casas noturnas, boates, casas de shows e imóveis, destinados à locação, para esta finalidade, tais como casas, sítios, chácaras, associações e clubes.

O que pode funcionar, com restrições:

  • os restaurantes e as lanchonetes, até o horário limite das 22h;
  • os eventos sociais, desde que obedecido o limite de 50% da capacidade do local do evento, respeitado o limite máximo de 200 pessoas, com término até 0h, além do cumprimento das orientações de distanciamento e higiene;
  • as convenções comerciais e feiras de exposição, obedecido o limite de 40% da capacidade do local do evento e respeitado o limite máximo de 500 pessoas no local, além do cumprimento das orientações de distanciamento e higiene já fixadas.
  • as lojas de conveniência e estabelecimentos similares, até as 22h, ficando proibido o consumo de bebidas alcoólicas no seu interior, bem como na área externa.

O decreto autoriza a aplicação de multas aos estabelecimentos flagrados descumprindo determinações. A população pode denunciar casos de descumprimento por meio do 190. Dentre as penalidades previstas, estão:

  • advertência;
  • multa diária de até R$ 50 mil para pessoas jurídicas, a ser duplicada por cada reincidência;
  • embargo e/ou interdição de estabelecimentos.

Aumento de casos no interior

Durante a coletiva, a diretora-presidente da Fundação de Vigilância e Saúde (FVS-AM), Rosemary Pinto, explicou que, além de Manaus, o órgão identificou um aumento no número de infecções no interior do estado. Segundo a diretora, o aumento é fruto de atividades políticas que concentram aglomerações de pessoas.

Governo concedeu coletiva de imprensa para anunciar medidas de restrição. — Foto: Matheus Castro/G1 AM

Governo concedeu coletiva de imprensa para anunciar medidas de restrição. — Foto: Matheus Castro/G1 AM

“Nós temos observado um aumento [no numero de casos] e remoções para Manaus. Alguns deles estão evoluindo com gravidade, indo a óbito, principalmente pessoas que tiveram algum tipo de exposição em comício, passeatas, ou pessoas que tiveram com quem esteve nesses locais”, disse.

O secretário executivo de atenção especializada ao interior, Cássio Espírito Santo, afirmou que, apesar das altas, o sistema de saúde do interior está com cerca de 5% de ocupação em leitos de Unidade de Cuidados Intensivos (UCI). Dos quatro mil leitos clínicos, 3.400 se encontram disponíveis para atender pacientes com Covid, de acordo com ele.

Rede de assistência recebe insumos

Com o aumento no número de casos e atendimentos nos hospitais de Manaus, o governo do estado informou que está recebendo novos insumos para o tratamento de pacientes com a Covid-19.

Segundo o governador Wilson Lima, o estado deve receber novos monitores vindos de Florianópolis e medicamentos vindos da Bahia. Foram abertos mais 42 leitos de UTI no estado, e 43 clínicos. Ainda segundo Lima, o estado deve receber, nesta quarta-feira (28), mais 30 respiradores do Governo Federal. Outros 30 já haviam chegado no domingo.

G1