Conectado por

Medicina

Cuide do seu intestino e previna doença gastrointestinal


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Por Janaína Marques

Dor no estômagoalterações metabólicas, excesso de gases, flatulência são só algumas das queixas dos pacientes que, todos os anos, buscam solucionar problemas digestivos. De acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia, quase metade dos brasileiros sente algum sintoma de má digestão, como refluxo, azia e tosse seca. Por isso, uma alimentação correta, saudável e equilibrada, com suficiente aporte de calorias e nutrientes é essencial para o bem-estar e a qualidade de vida.

Conversamos com o gastroenterologista, Alessandrino Terceiro, para saber os principais problemas digestivos que acometem os brasileiros. Saiba ainda como tratar e se prevenir.

Refluxo

A mais prevalente doença do esôfago é a doença do refluxo gastroesofágico, que tem como um de seus principais fatores de risco a obesidade, frequentemente associada a erros ou maus hábitos alimentares. Entre os sintomas está a queimação e/ou regurgitações, azia, dor no peito, tosse seca e rouquidão. “Essa é uma doença que afeta praticamente 20% da população e que leva várias pessoas aos consultórios”, explica Alessandrino.

Gastrite

É uma inflamação da mucosa do estômago. Ela pode durar por pouco tempo, na chamada gastrite aguda, ou pode durar meses e até mesmo anos (gastrite crônica). “A geralmente está associada a presença de uma bactéria, conhecida como H. pylori, ou a uso de antiinflamatório e a uma alimentação inadequada, rica em cafeína, frituras, alimentos condimentados, refrigerantes, que podem causar agressões contra o estômago”, afirma o médico.

Intolerância à lactose

É a incapacidade do organismo de digerir a lactose, devida à ausência ou quantidade insuficiente da lactase. Quando a lactase está ausente (alactasia) ou deficiente (hipolactasia), a lactose não é absorvida no intestino delgado e passa para o intestino grosso, onde, por ação bacteriana, será fermentada. Essa fermentação produz gases que podem ocasionar sintomas digestivos, como distensão abdominal, cólicas, flatulência e diarreia. É um problema bastante comum na população adulta.

Previna-se do estresse!

Muito estresse ou ansiedade podem fazer com que seu sistema digestivo trave, pois sua regularidade depende, em parte, de fatores emocionais. “O estresse em si é um fator coadjuvante das doenças gastroenterológicas. Ele pode ativar neurotransmissores, que liberam secreções ácidas para o estômago”, afirma Alessandrino.

Tenha bons hábitos:

– Coma fibras sem excessos;

– Consuma pelo menos duas frutas ao dia, preferencialmente com casca;

– Inicie as refeições com verduras e legumes, preferencialmente crus;

– Beba em média 2 litros de água por dia;

– Evite álcool, cigarro, além de alimentos gordurosos e processados;

– Pratique atividade física;

– Faça check-ups periodicamente com seu médico.

O que o cocô pode dizer sobre sua saúde?

Identifique os tipos de fezes

O cocô pode dizer como está o funcionamento geral do intestino. Por isso, aprenda os tipos de fezes e o que fazer em cada caso.

De acordo com o gastroenterologista, Alessandrino Terceiro, as fezes podem dar pistas se o intestino está funcionando bem ou mal. “Há um grande número de fatores que podem contribuir para alterações das fezes, como ansiedade, estresse, depressão, disfunção tireoidiana, má alimentação, intolerância alimentares e uso de medicamentos”, destaca Alessandrino.

Para detectar se você possui algum problema, uma simples observação sobre o formato, a cor e espessura das fezes dizem muito sobre a saúde do seu intestino. O ideal é evacuar a cada 24 horas, dependendo do volume de alimentos consumidos. Mas também é normal evacuar de 2 a 3 vezes ao dia. Veja o que fazer de acordo com cada tipo de fezes.

Tipo 1 – Fezes com caroços duros, separados, em forma de bolinhas. Indica indivíduos que são constipados severamente. Possuem intestino preso, em mal funcionamento. Nestes casos, aumente o consumo de água, pratique atividade física e consuma mais fibras;

Tipo 2 – Fezes em forma de linguiça, porém grumoso, segmentado. São indicativos de pacientes com constipação intestinal leve. Também aumente o consumo de água, pratique atividade física e consuma mais fibras;

Tipo 3 – Fezes em forma de linguiça, com fissuras ou ranhuras em sua superfície. Saúde do intestino está em dia;

Tipo 4 – Fezes em forma de linguiça ou cobra, finas, lisas e suaves. Saúde do intestino está em dia;

Tipo 5 – Fezes fragmentadas, em pedaços com contornos bem definidos. São pacientes com tendência a diarréia;

Tipo 6 – Fezes em pedaços mais aerados, esfarrapados, sem consistência. São pacientes que também estão com quadro diarréico e devem ser investigados;

Tipo 7 – Fezes completamente líquidas. Denota urgência de atenção.

Fonte: Gastroenterologista, Alessandrino Terceiro, e Federação Brasileira de Gastroenterologia.

Semprebem.paguemenos.com.br

Publicidade
Betfair

ALE-RO

ÓTICA DINIZ
Online Cassino


Desenvolvimento