Conectado por
Governo de Rondônia

Cuiabá-MT

Cuiabá: Vou me virar nos 30 e tocar 2 campanhas, diz Márcia sobre marido e filho candidatos

Publicado por

em


Continua após a publicidade

A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, vive a expectativa de encarar duas campanhas eleitorais simultaneamente. O marido Emanuel Pinheiro (MDB) deve ser candidato à reeleição enquanto o filho, deputado federal Emanuelzinho (PTB), ser articular para disputar a Prefeitura de Várzea Grande.

Com raízes nas duas cidades, Márcia garante que vai se desdobrar para participar das duas campanhas eleitorais. Mas por ora,  ainda aguarda que as  candidaturas de pai e filho se concretizem.

“Não é uma decisão para ser tomada. Eu tenho que ajudar o Emanuel aqui. Eu tenho que ajudar o Emanuelzinho se realmente ele for candidato. Vou me virar nos 30 e tocar as duas campanhas se eles forem candidatos. Mas quem sabe amanhã eles não recuam. No fim, serei a que mais vou trabalhar da família”, disse Márcia em visita ao .

Sobre a candidatura de Emanuel, a primeira-dama reafirma que se dependesse da vontade dela, o prefeito não disputaria a reeleição. Argumenta que os quatro anos foram muito desgastantes e que o marido já deu sua contribuição para Cuiabá.

“Mas a decisão é do Emanuel, eu como companheira, apoio a decisão que ele tomar. Quando casei, ele era vereador. Conheci meu marido sabendo da vocação política. Também respeito muito a vontade do grupo político, dos colaboradores da gestão e da população cuiabana que quer dar mais um mandato para o prefeito. Por isso, estarei ao lado dele seja qual for a decisão que tomar”, completou.

Têm os ataques que a gente sofre, sabemos do que as pessoas são capazes,  mas  Deus é maior. Se tiver medo de ataques, tem que sair da vida pública

Primeira-dama Márcia Pinheiro

Em relação ao filho entrar na disputa, Márcia lembrou que, junto com o prefeito, teve uma conversa com Emanuelzinho sobre a responsabilidade de ser prefeito. Depois disso, deixou que ele tomasse a decisão.

“Como todos sabem, ele ia ser padre e nunca demonstrou o desejo de ser político embora o avô foi e o pai é. Como mãe, eu quero melhor para o meu filho. Ele me surpreendeu quando quando foi candidato a deputado federal. Não tem essa de ‘o Emanuel empurrou’. Colocamos os prós e os contras, mas a decisão é dele. Ele tem que assumir suas responsabilidades. Se  ele quer assumir esse desafio, eu apoio”, revelou.

Além disso, Márcia pontua que o mais difícil não é a campanha eleitoral, mas cumprir um mandato de quatro anos com todos os desafios da administração municipal. Lembra também dos ataques diários sofridos pelos gestores.

  “Têm os ataques que a gente sofre, sabemos do que as pessoas são capazes,  mas  Deus é maior. Se tiver medo de ataques, tem que sair da vida pública. O que não gosto é de ver quem não contribui com nada e só ataca. Winston Churchill já dizia: as pessoas sempre têm que culpar alguém”, concluiu.

Fonte: RDNews