Conectado por
Governo de Rondônia

Cuiabá-MT

Cuiabá: Botelho e Juca formam comissão para acompanhar debate sobre VLT x BRT

Publicado por

em


Continua após a publicidade

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), e o presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, Juca do Guaraná (MDB), se reuniram na manhã desta quarta-feira (20) e decidiram formar, juntos, uma comissão para acompanhar os desdobramentos sobre a troca de modal em Cuiabá e Várzea Grande, do VLT para o BRT.

Juca comemorou a iniciativa de Botelho em formar a união, atitude inédita, segundo ele. “Quero agradecer o presidente Botelho por abrir esse diálogo, por estar dando espaço para a Câmara de Cuiabá. Não para o vereador Juca, mas para a população cuiabana e isso é de suma importância. Eu já estou como vereador há 8 anos e isso é inédito. Pelo menos pelo período em que eu estou como vereador, não tinha tido esse espaço. Nós queremos ser ouvidos e vamos defender com toda garra e força os interesses de Cuiabá”, afirmou.

Para o vereador, a decisão de abandonar o VLT e substituir o modal pelo BRT é retrógrada, além de ter sido tomada de forma “monocrática” pelo governador Mauro Mendes (DEM), que não ouviu as duas cidades mais interessadas no assunto: Cuiabá e Várzea Grande.

“É uma decisão monocrática, que não ouviu a Câmara de Cuiabá, não ouviu a Câmara de Várzea Grande e não ouviu os segmentos, que representam, de fato e de direito, a população.”

Para ele, a melhor escolha é manter o VLT. “O nosso projeto foi pelo VLT. Se você analisar, o BRT tem quase meio século que já existe em Curitiba, por exemplo, e já está em desuso. Eu acho que o modal mais moderno é o VLT”, afirmou.

Botelho explicou que a decisão foi técnica e não política e, por isso, o governador não ouviu as prefeituras e as câmaras das duas cidades. No entanto, vai tentar fazer o meio de campo.

“A decisão não foi uma decisão política, por isso que não foi ouvido nenhum deputado também, ninguém participou. Por que foi uma decisão puramente técnica, não foi uma decisão política. Participaram desse estudo técnicos, professores de universidades, técnicos do Ministério do Desenvolvimento, e chegaram e apresentaram esse relatório ao governador. Ele entendeu que esse é o melhor caminho e escolheu. Mas precisa, sim, envolver a Prefeitura de Cuiabá e de Várzea Grande, para que nós possamos fazer isso no menor prazo possível. É esse que vai ser o objetivo e eu vou trabalhar para isso. Vamos trazer os dois, eles têm o mesmo objetivo, Cuiabá e Várzea Grande, todo mundo quer que acaba esse trambolho que está aí na nas nossas principais Avenidas. O que é melhor para população? Então os dois têm que ajudar. Uma vez que está decidido, agora tenho que trabalhar para concretizar”, resumiu.

Fonte: Única News