Conectado por

Agronegócios

CRÉDITO: Com Cédula de Produto Rural (CPR ) em dólar, governo aumenta opções ao produtor rural e instituições que ainda não estão no câmbio


Compartilhe:

Publicado por

em

A mexida que o governo deu no sistema de financiamento do agronegócio, com a Medida Provisória lançada ontem (MP do Agro), começa criar condições práticas para sustentar aquilo que está bem visível no mercado: o crédito subsidiado está rareando e está ficando mais caro, de modo que dinheiro novo cada vez mais dependerá de instrumentos oferecidos pelo setor privado.

Entre o que foi anunciado, e que precisará ser aprovado no Congresso, a Cédula de Produto Rural (CPR) poderá ser emitida em dólar, oferecendo tanto ao sistema que já opera em câmbio, quanto para o produtor, a alternativa de atração de recursos externos.

No momento em que a CPR vinha perdendo espaço para a poupança rural – depois de crescimento até à penúltima safra de grão – na medida em que a taxa Selic foi caindo, a opção do título em moeda estrangeira “fica dentro do conjunto de instrumentos que o sistema financeiro vai tendo que se antecipar para oferecer recursos ao setor produtivo”, avalia Neivo Panho, diretor-superintendente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc).

Ainda faltam detalhes técnicos que deverão ser adequados pelo Banco Central, mas, no geral, a medida é vista com otimismo. Se o governo está saindo do crédito rural, e “hoje o que ele oferece já está mais caro, os bancos estão tendo também que se antecipar”.

Segundo Panho, sem recursos para repassar do governo, ou com spread cada vez mais achatados, e sem produtos próprios atraentes, as instituições financeiras ficariam reféns de outras atividades tomadoras de crédito com menor potencial de crescimento que o agronegócio. “Com a tendência das taxas de juros caírem mais, seguindo a aprovação da Previdência e da reforma tributária, os agentes têm que se mexer”, diz o representante das cooperativas catarinenses.

“Para os agentes que operam com câmbio, a CPR emitida em dólar é uma ótima notícia, pois aumenta a opção de travas”, analisa Gustavo Soares, consultor de Agronegócio do Bancoob, braço financeiro do Sicoob, que ainda não opera com câmbio.

Ele destaca a CPR financeira, com liquidez na B3.

Garantias

No momento também em que os bancos resistem em renovar linhas de repasse do BNDES, apesar da autorização da instituição, o governo também lançou o Fundo de Aval Fraterno (FAF), outra promessa lançada durante o anúncio do Plano Safra, no primeiro semestre.

Com opção da formação de um fundo de dois a até 10 produtores, cada qual participando dentro do seu percentual de recurso, oxigena as garantias que os bancos tanto perseguem.

E para Neivo Panho, diretor-superintendente da Ocesc, certamente alimentará mais ainda a possibilidade de lançamentos de novos produtos financeiros para o agro pelo setor privado.