Conectado por
Governo de Rondônia

Saúde

COVID-19: Olhos podem sinalizar risco de infecção pelo vírus

Publicado por

em

Uma pesquisa recentemente publicada na revista BMJ Open Ophthalmology apontou que antes dos primeiros indícios de uma infecção por COVID-19 surgirem, os olhos podem sinalizar ao corpo o risco de contaminação. E isso até três semanas antes de o organismo sentir os clássicos sintomas da doença – dor de cabeça, falta de ar, perda de olfato e paladar, febre, dor de garganta, entre outros.

Continua após a publicidade

Entre as alterações oculares mais frequentes estão o olho seco e a dor nos olhos. Segundo o estudo, realizado por pesquisadores da Anglia Ruskin University, no Reino Unido, com 83 participantes, o olho seco atingiu 23% dos participantes na chamada “pré-COVID”.

Essa prevalência caiu para 14% se considerado o período da já infecção. Já a dor nos olhos teve incidência maior durante o período de contaminação (16%).

De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, a prevalência de olho seco apontada no estudo é quase o dobro dos 12% que atinge a população brasileira.

No entanto, a incidência ainda é grande, não à toa, conforme relatos do especialista, nas últimas semanas, quando os casos de COVID-19 voltaram a crescer no país, o atendimento de pacientes com queixas de ressecamento ocular aumentou.

“O estudo publicado no Reino Unido sugere, inclusive, que manter a boa lubrificação dos olhos é o primeiro passo para prevenir a COVID-19”

Leôncio Queiroz Neto, oftalmologista do Instituto Penido Burnier

Nesse cenário, os principais sintomas do olho seco são: coceira, vermelhidão, sensação de areia nos olhos e visão embaçada. Leôncio Queiroz, porém, pontua que nem todas as pessoas que apresentarem esses sintomas podem estar, de fato, contaminadas e/ou se infectarão futuramente, e faz um alerta: a lágrima é essencial para evitar que o novo coronavírus e outros micro-organismos penetrem nos olhos.
“Correr à farmácia para comprar lágrima artificial nem sempre resolve o problema. Isso porque a lágrima tem três camadas – aquosa, oleosa e proteica – e os colírios têm diferentes substâncias que atuam em uma dessas camadas”, explica o oftalmologista. Segundo Leôncio Queiroz, o tratamento com luz pulsada é a melhor alternativa.
“O tratamento é indolor, reduz o desconforto nos olhos e faz uso de colírio lubrificante. Isso porque tem efeito duradouro que pode ser sentido desde a primeira aplicação. A luz pulsada desobstrui uma pequena glândula na borda da pálpebra. A desobstrução melhora a produção da camada gordurosa da lágrima que evita sua evaporação. O estudo publicado no Reino Unido sugere, inclusive, que manter a boa lubrificação dos olhos é o primeiro passo para prevenir a COVID-19”, conclui.

Previna-se!

Leôncio Queiroz recomenda que a prevenção seja adotada a fim de evitar o desconforto provocado pelo olho seco, bem como a contaminação por COVID-19. Nesse cenário, o ideal é que as pessoas evitem o uso abusivo de ar-condicionado e, também, de eletrônicos.
“Além de facilitar a evaporação do filme lacrimal, o confinamento em ambiente climatizado por equipamentos domésticos que não trocam o ar ambiente facilita a proliferação do coronavírus. Portanto, durante a pandemia a regra para usar climatizadores domésticos que não trocam o ar dos ambientes é manter janelas e portas abertas para evitar a COVID-19 e, também, o olho seco”, ressalta.
Quanto ao uso excessivo de computadores, tablets ou celulares durante a pandemia, Leôncio Queiroz Neto destaca que, conforme elucidado por um estudo conduzido por ele, entre adultos com até 40 anos, o uso das telas por mais de duas horas provoca o ressecamento da lágrima em 75% dos brasileiros. Acima desta idade, esse índice chega a 90%.
Já entre os 6 e 9 anos, o olho seco atingiu 30% de 360 crianças que chegavam a ficar até seis horas conectadas. Por isso, é de fundamental que as pessoas gerenciem melhor o uso dos aparelhos eletrônicos de forma a beneficiar a saúde como um todo.
*Estagiária sob supervisão da editora Teresa Caram
Fonte: Estados Minas