Conectado por

Política

Coronavírus: Restrições deixam Câmara e Senado esvaziados

Publicado por

em

Com as restrições editadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado devido à pandemia de coronavírus declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), as duas Casas estão esvaziadas na manhã desta quinta-feira (12/03).

Continua após a publicidade

As visitas guiadas, que geralmente são intensas às quintas, foram totalmente suspensas na Câmara. No Senado, grupos que tinham agendado a visita e não foram avisados em tempo hábil puderam entrar para conhecer as instalações do órgão.

De acordo com a Polícia Legislativa, como as portarias restringindo o acesso e definindo medidas com o objetivo de barrar o contágio foram divulgadas à noite, alguns grupos não puderam ser avisados e, com isso, as regras passaram a ser flexibilizadas a fim de atender os visitantes.

O mesmo não ocorreu com a Câmara, que tem circulação diária de pessoas muito maior do que a do Senado.

Uma das turmas previstas para visitar o Senado era composta por 35 estudantes da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), de São Paulo. A turma veio a Brasília de avião para conhecer as instituições públicas. “Agora, vamos tentar fazer turismo pela cidade”, disse um dos alunos.

No Senado, estava prevista sessão solene em homenagem ao Dia Mundial do Rim, comemorado nesta quinta-feira como marco para a prevenção de doenças renais. Na Câmara, outra sessão solene foi programada para lembrar as vítimas das tragédias ocorridas nas cidades mineiras Mariana e Brumadinho. Os dois eventos foram cancelados.

Com isso, deputados realizaram sessão extraordinária, antecipando para a parte da manhã a sessão que ocorreria à tarde, e aprovaram o texto do Acordo de Cooperação entre Brasil e Angola na área da Defesa, pendente de aprovação desde junho de 2010.

Mais quatro propostas estão na lista de votações para a regulamentação de acordos de intercâmbio de informações tributárias com a Ilha de Guernsey, pertencente à Coroa Britânica, e com o Arquipélago das Bermudas, considerados paraísos fiscais.

FONTE: METROPOLES