Conectado por

Política

Contra gripe, Câmara pede R$ 236 mil em vacinas para servidores

Publicado por

em

Câmara dos Deputados vai gastar R$ 236.460 na compra de 6 mil doses de vacinas contra a gripe. Antecipada em decorrência do avanço do coronavírus no país, a campanha anual nacional tem início nesta segunda-feira (23/03), e não mais na segunda quinzena de abril.

Continua após a publicidade
<

O edital foi divulgado na quinta-feira (19/03) e o pregão eletrônico será aberto em 1º de abril. Casa dose sairá a R$ 39,41 e a validade mínima de todas asa unidades tem de ser dezembro deste ano.

As vacinas serão destinadas à campanha interna da Casa, seguindo diretrizes do Ministério da Saúde, direcionada a servidores, secretários parlamentares, pessoas em cargos em Comissão de Natureza Especial (CNE) e empregados terceirizados.

Outra exigência da licitação é de que as 6 mil doses tenham a embalagem original de fábrica, com identificação e quantidade do material no rótulo. Segundo o edital, o quantitativo de vacinas foi definido com base nas campanhas realizadas nos anos anteriores.

Apesar de a vacina não ter eficácia contra o novo coronavírus, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou, à época do anúncio, que a medida auxiliaria os profissionais de saúde a descartarem as influenzas na triagem e acelerarem o diagnóstico para a Covid-19.

A Câmara tem traçado medidas para ajudar no combate ao alastramento do vírus. Além do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter assinado um ato com novas normas para aumentar a segurança no Legislativo, as votações do plenário serão feitas, a partir da semana que vem, por meio de um aplicativo.

Deputados já fecharam seus gabinetes, e as equipes trabalham remotamente. Maia e alguns líderes se mantêm em Brasília e se reunirão presencialmente antes das votações para deliberarem sobre a pauta a ser apreciada virtualmente.

Já os servidores que estão no grupo de risco foram liberados para o teletrabalho. Entretanto, um rodízio ainda está sendo feito com o restante dos funcionários. O movimento da Casa na sexta-feira (20/03), segundo apurou o Metrópoles, estava como de uma sexta comum.

FONTE: METROPOLES