Conectado por
Governo de Rondônia

Mato Grosso

Conselho Tutelar diz que vai enviar documentos para MP apurar caso de 12 alunos que passaram mal após medicação em Poconé (MT)

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Conselho Tutelar de Poconé, a 104 km de Cuiabá, disse que vai enviar ao Ministério Público Estadual (MPE) documentos para que a reação alérgica causada em alunos após medicação seja investigada. Para isso, a conselheira tutelar Mariuma de Abreu Silva afirmou ter socilitado à Secretaria de Saúde do município documentos para embasar a investigação.

“Fizemos uma solicitação da documentação para a secretaria e estamos aguardando o envio para o Ministério Público investigar”, disse.

Na terça-feira (21), 12 alunos da Escola Estadual Juscelino Kubitschek no município, passaram mal depois de receberem uma dose de medicação contra tracoma – uma doença inflamatória ocular causada pela bactéria Chlamydia trachomatis.

Os alunos que passaram mal foram socorridos e encaminhados ao posto do Programa de Saúde da Família (PSF). No entanto, outras cinco ou seis foram levadas ao Pronto Atendimento Municipal (PAM), pois o estado de saúde delas era pior.

Duas estudantes utilizaram o balão de oxigênio, porém, foram estabilizadas e receberam alta.

De acordo com a direção da escola, o medicamento azitromicina foi aplicado a pedido da Secretaria Municipal de Saúde. Após tomarem as doses, os alunos sentiram enjoos, dores e tontura.

Antes da aplicação, a Secretaria de Saúde fez uma triagem com os estudantes, comforme o diretor da escola, Elvis Gomes de Arruda.

“Foi detectado que alguns alunos já tinha os sintomas da doença. Eles disseram que retornariam na escola, para que fosse dada a medicação”, contou.

A Secretaria de Saúde de Poconé informou que todos os que tomaram o medicamento tiveram autorização dos pais ou responsáveis e tinham prescrição médica.

A filha da dona de casa Ivanete da Silva Rondon, foi uma das alunas que passou mal. Ela disse que faltou informação para os pais, por parte da escola e da Secretaria.

“Faltou uma informação por parte da Secretaria. Eles poderiam dizer que tipo de reação alérgica as crianças poderiam ter”, afirmou.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde disse que dos 60 alunos que tomaram a medicação, apenas 12 adolescentes foram identificadas com ser reação ao uso do medicamento. A azitromicina é usado em forma de comprimido e suspensão, quando as substâncias químicas não estão totalmente dissolvidas no meio líquido, e precisa ser agitado antes de ingerido.