Conectado por

Concursos

Congelamento de concursos públicos fecha cursinhos

Publicado por

em

Há três anos, quando conversou com o jornal O Estado de S.Paulo, pela primeira vez, Caroline Santos tinha acabado de deixar o emprego em um escritório de advocacia para mudar de vida: o dinheiro que juntou, com sacrifício, iria permitir a dedicação exclusiva à preparação para o concurso para uma vaga de procuradora pública. Com recursos suficientes para se manter por dois anos, ela abraçou uma rotina de até 12 horas diárias de estudo.

Continua após a publicidade
<

Com a queda no número de concursos desde a crise, no entanto, ela teve de voltar há quatro meses para o setor privado. Hoje, ganha o mesmo salário de quatro anos atrás. “Comecei a fazer uma pós-graduação, para me destacar. Não me arrependo de ter largado tudo para prestar concursos, é um sonho que não abandonei, mas que ficou guardado em um cantinho.”

As medidas de austeridade dos últimos quatro anos colocaram a folha de pagamento dos servidores na mira do governo e fizeram minguar o número de concurso, adiando os planos de muitos brasileiros que buscavam uma carreira no Estado.

Em menos de uma década, o número de contratações de servidores federais caiu para quase um sexto do que era. Se em 2010, foram admitidos 296 mil servidores, em 2018 (o dado mais recente), foram 50,7 mil, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), da Secretaria do Trabalho, compilados pela consultoria LCA.

O economista Cosmo Donato, da LCA, lembra que em 2010 a conjuntura fiscal permitia a maior reposição do funcionalismo. “A orientação era de expansão da máquina pública, não por acaso, foi ano recorde de contratações. De lá para cá, não só o espaço fiscal continua restritivo, como estruturalmente o quadro exige uma reformulação do funcionalismo.”

Sem concursos novos, o funcionalismo deixou de ser reposto e, por enquanto, não há autorização para que sejam feitos concursos federais este ano de carreiras civis, apenas militares. Segundo o Ministério da Economia, 22 mil servidores federais devem se aposentar este ano. Até 2022, a previsão é de que cerca de 60 mil deixem o serviço público.

Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo apontou que a equipe econômica decidiu travar seleções de servidores até que a proposta do governo de reforma administrativa passe no Congresso. No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Executivo não poderia ser “irresponsável” e abrir concursos “desnecessários”.

Retrato

Capital informal dos concurseiros, Brasília é um retrato das mudanças recentes no mercado de seleção para novos servidores. “Há pouco mais de cinco anos, dava para esbarrar em um cursinho preparatório a cada meia hora de caminhada. Só que muitos alunos se cansaram de esperar pelo edital que nunca vinha e metade das escolas fechou”, conta o professor aposentado de matemática André Santos.

Para João Adilberto Xavier, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Cursos Livres do Distrito Federal, que também representa os cursinhos, não há dúvida de que empresários do setor estão sentindo a falta de novos concursos. Ele, no entanto, avalia que o setor sabe que, mais cedo ou mais tarde, as seleções voltarão.

“Faz parte do jogo. O empresário entende que o País está em um processo muito complicado de recuperação econômica e é preciso arrumar a casa. O Estado precisa voltar a ter musculatura para repor as suas peças”, avalia Xavier.

Ele ressalta que quem sonha com uma vaga no serviço público deve entender que a tecnologia está transformando também as carreiras de Estado e que as mudanças de gratificação propostas na reforma administrativa serão positivas, se atraírem novos servidores que realmente queiram fazer a diferença no setor público.

‘No ano passado,quase fui aprovada’

Sem perspectiva de novas seleções para as carreiras civis federais e com o destaque que a ala fardada vem ganhando no governo, a procura por cursinhos preparatórios voltados a concursos militares aumentou no primeiro ano de governo Bolsonaro.

Maria Gabriela Souza, 18 anos, tenta uma vaga na Academia da Força Aérea (AFA) desde os 15 anos e sabe que a concorrência aumentou. “Não tenho militares na família, mas desde pequena comecei a pesquisar a trajetória de mulheres que seguiram nas Forças Armadas.”

Ela conta que no ano passado não foi aprovada por pouco e que este ano vai reforçar os estudos de matemática. “Quando a gente é aprovado, passa por um curso de formação que dura quatro anos. Como há limite de idade para se tornar oficial, se até os 21 anos não conseguir, minha segunda opção é estudar direito e ser Policial Militar.”

Segundo coordenadores de escolas preparatórias especializadas ouvidos pelo Estado, a busca por turmas voltadas para seleções da Aeronáutica, Marinha e Exército aumentou 30%, entre 2018 e 2019.

Aos 19 anos, Giovani da Costa faz cursinho há três anos também para tentar uma vaga na AFA. “No ano passado, só não passei por nervosismo.”

Para André Barbosa, diretor do Curso de Seleção Magister, de Brasília, com o desemprego alto e a falta de seleções para servidores civis, é natural que a procura pelas carreiras militares tenha aumentado. “Temos hoje 15 turmas preparatórias para colégios militares e para as carreiras nas Forças Armadas.”

Ele conta que as seleções para o Exército são as que atraem mais pessoas, pela maior quantidade de vagas. “Muita gente passou a considerar as carreiras militares, mas acaba se assustando quando tem de enfrentar provas mais específicas, com questões de matemática e física. A parte boa é que, depois de formado, em algumas carreiras é possível ganhar remunerações iniciais de até R$ 8 mil.”

Receita Federal

Ao defender a reforma administrativa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo gastava 90% da receita com salários e era obrigado a dar aumentos. “O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade, aposentadoria generosa… o hospedeiro está morrendo, o cara (servidor) virou um parasita”, disse durante um evento, causando polêmica.

“Parasita, talvez, na cúpula dos Poderes. Mas nem todo funcionário público age assim”, diz o engenheiro Alberto Camargo, de 47 anos. Trabalhando por conta própria há duas décadas, ele decidiu começar a estudar este ano para concursos. “O mercado privado vai ficando mais difícil a partir de uma certa idade. Tem meses em que eu não consigo trabalho.”

Ele, que estuda cerca de quatro horas por dia enquanto espera a volta dos concursos federais, planeja se candidatar a qualquer vaga que pague pelo menos R$ 5 mil por mês, para pagar os estudos do filho. “Topo o que vier, mas queria tentar entrar na Receita Federal.”

Há cinco anos sem seleções e com salários de até R$ 20 mil, a Receita Federal é o sonho da maioria que tenta uma vaga, conta a coordenadora pedagógica da Central de Concursos, Silene Rocha.

Sem concursos federais, no cursinho preparatório, que tem 1.800 alunos, a procura passou a ser por vagas municipais e estaduais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.Noticias ao Minuto