Conectado por
Governo de Rondônia

Religião

Como identificar a vontade de Deus?

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Todos gostaríamos de saber a vontade Deus, porque cremos que ele existe e é um Deus pessoal, com um querer, um plano, um propósito. Quando falamos, então, sobre identificar sua vontade, nos referimos ao fato de que ele planejou todas as coisas para cada um de nós e para o mundo como um todo. Assim, o desejo de querer saber qual é a vontade Deus é muito bom, pois demonstra a crença na existência do Criador e no fato que sua vontade é boa, perfeita e agradável e muito melhor que a nossa.

Contudo, o querer de Deus é misterioso. Não podemos ler sua mente, acessar seu íntimo, descortinar seus planos por nós mesmos. Se o Senhor não tivesse manifestado e revelado seu querer, não nos seria possível em absoluto saber minimamente o que ele deseja de nós e o que deseja do mundo como um todo. Isso porque Deus é totalmente outro. Um ser eterno, invisível, todo-poderoso, onisciente, onipotente, onipresente, justo e perfeito em todos os seus caminhos. Nós, por outro lado, somos criaturas limitadas, finitas, com existência dependente daquele que nos criou. Não nos seria possível saber nada sobre esse Deus, mas ele, graciosamente, misericordiosamente, se revelou a nós.

Essa revelação foi dada primeiramente a um povo oriental escolhido, que conhecemos como a nação de Israel — descendentes de um nômade chamado Abraão. Deus, pois, se revelou e escolheu aquele povo. Disse seu nome a eles e deu-lhes um propósito, uma missão. Fez-lhe promessas, das quais a mais importante era a de que, daquela nação eleita, viria alguém que seria o Salvador do mundo. Ele nos salvaria de nossos pecados e transgressões.

Mais tarde, quando encarnou o Salvador, descendente daquele povo, ele não veio somente realizar o plano do Senhor para nos salvar, mas também nos revelou mais da vontade e do reino de Deus. Ele falou mais sobre o ser de Deus, sua bondade e sua misericórdia. Contou parábolas belíssimas, como a do filho pródigo e a do bom samaritano, que ilustram muito bem quem Deus é e qual é o seu plano para conosco. Jesus, o Salvador, também constituiu apóstolos, chamados especialmente por ele mesmo, para registrar essa revelação de Deus, que expressa a sua vontade, o seu querer.

Portanto, se alguém deseja identificar qual é a vontade de Deus, deve antes de tudo recorrer à Bíblia. Todavia, você não encontrará na Escritura uma revelação específica de Deus sobre assuntos como a cor da camisa que tem de vestir hoje. O que encontraremos é a revelação do caráter de Deus, de seu plano e sua vontade geral para a humanidade. Por exemplo, lendo a Bíblia percebemos que a vontade do Senhor é que sejamos honestos. Os apóstolos de Jesus também insistiram na importância de que trabalhássemos para garantir nosso próprio sustento em atividades legais (2Ts 3.8).

“Se alguém deseja identificar qual é a vontade de Deus, deve antes de tudo recorrer à Bíblia.”

Em que isso me ajuda a saber a vontade de Deus? Suponhamos que um jovem tenha concluído seu curso universitário e esteja procurando uma oportunidade de emprego. Surgem propostas para colocação no mercado de trabalho, mas uma delas envolveria algum tipo de desonestidade. Ora, a pessoa que queira saber qual a vontade de Deus para sua vida profissional não precisará perguntar ao Senhor, pedindo-lhe uma revelação específica sobre isso. Esse jovem não deveria perguntar “Senhor, qual emprego desejas que eu aceite?”. Se o que está em jogo é um trabalho que envolve desonestidade, mentira e abuso do próximo, enquanto o outro, por sua vez, consiste em um trabalho honesto, a pessoa já tem a resposta muito clara para a questão. Não precisará vir um anjo do céu trazendo uma revelação de Deus para dizer que a vontade divina é que ele aceite o emprego honesto.

Devemos nos perguntar sempre por que queremos saber qual é a vontade de Deus. A única razão pela qual devemos desejar conhecê-la é para obedecer a ele! De nada serve querer saber qual é a vontade de Deus para depois dizer “não quero segui-la” ou “isto não me convém neste momento”.

Outro exemplo: o apóstolo Paulo escreveu que a mulher que ficar viúva é livre para casar com quem quiser, desde que seja no Senhor (1Co 7.39). Vê-se que o princípio é que o casamento deve ser no Senhor. Em linguagem bíblica, isso quer dizer, em poucas palavras, que crente tem de casar com crente. Só que Paulo diz que a mulher pode casar com quem quiser entre os irmãos. É como se Deus deixasse à nossa escolha, mas respeitando esse princípio. Assim, muito embora não tenhamos na Bíblia uma revelação específica da vontade Deus para todos os assuntos específicos, temos princípios que nos dão o norte para diversas situações da vida.

O referencial maior para nós é sempre a Palavra de Deus. Podemos nos aconselhar, mas precisamos sempre ter como critério absoluto os princípios da Bíblia, que expõem a vontade de nosso Pai. O crente que lê a Escritura, nela medita dia e noite (Sl 1.2) e procura viver seus princípios (Tg 1.22) estará mais próximo de viver com harmonia a vontade revelada de Deus. 

Fique por dentro!

O artigo que você acabou de ler é um trecho do livro Cristianismo descomplicado – Questões difíceis da vida cristã de um jeito fácil de entender. Nele, Augustus Nicodemus coloca um ponto final naquelas dúvidas que dão um nó nos neurônios de muitos cristãos em assuntos relacionados à fé. Em poucas palavras, mas com riqueza teológica, ele esclarece temas difíceis e oferece uma resposta bíblica e contundente a diversas questões polêmicas de nossa época. Tópicos como ideologia de gênero, sofrimento, divórcio e novo casamento, submissão feminina, sexualidade sadia, possessão demoníaca, suicídio e muitos outros são abordados com uma linguagem fácil de entender e com profundo senso pastoral.