Conectado por
Governo de Rondônia

Acre

Com cheia histórica que afeta 33 mil pessoas, Cruzeiro do Sul dobra prazo de decreto de emergência

Publicado por

em

Cruzeiro do Sul tem pelo menos 33 mil pessoas atingidas pela cheia do Rio Juruá que está a 1,19 metros acima da cota de transbordo. Novo decreto anula efeitos do decreto anterior do dia 15 de fevereiro que declarava situação de emergência.


Continua após a publicidade

Por conta da cheia histórica que atinge a cidade de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, o prefeito Zequinha Lima decretou situação “anormal”, que é de emergência nível dois, nas áreas atingidas pela cheia do Rio Juruá e igarapés da região. O decreto que tem validade de 180 dias foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (23).

prefeitura já tinha decretado situação de emergência no último dia 15. O novo decreto dobra o prazo de vigência da situação e anula os efeitos do decreto anterior em sua totalidade. E ainda leva em consideração o óbito de uma criança de dois anos, na última semana que morreu afogada no bairro da Várzea.

O novo decreto leva em consideração o número de pessoas atingidas, 33 mil; as que foram removidas de casa e levadas para abrigos (250) ou para casas de familiares (3.952), segundo dados da Defesa Civil. Pelos menos 20 bairros e comunidades foram atingidos.

A cota de transbordo do Rio Juruá é de 13 metros e nesta terça o rio está a 1,19 metro acima desta cota – 14,19 metros, na medição das 6 horas e apresenta vazante, que é quando as águas começam a baixar.

O decreto leva em consideração a quebra da situação de normalidade e da rotina das famílias atingidas pela inundação, bem como os impactos negativos causados no sistema de transporte, na saúde pública e na segurança, afetando a integridade e proteção das pessoas.

Esta é considerada a maior cheia já registrada no rio Juruá. A maior cota até então tinha sido registrada em 2017, quando o manancial chegou a 14,20 metros, neste ano ele superou a marca de 14,36 metros.

Coordenação

 

A coordenadoria da Defesa Civil do município fica responsável pelo planejamento e elaboração de ações de resposta à situação de anormalidade, caracterizado como situação de emergência nível II.

O decreto ainda autoriza a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem sob a coordenação da Defesa Civil, nas ações de resposta ao desastre e reabilitação do cenário e reconstrução que pode ser superado e reparado pela prefeitura tanto com recursos próprios, como de ajuda dos governos estadual e federal.

Além disso, autoriza a convocação de voluntários para reforçar as ações e realização de campanhas de arrecadação de recursos junto à comunidade, com o objetivo de facilitar as ações de assistência à população afetada pelo desastre.

Também ficam dispensados processos de licitação para contratos de aquisição de bens necessários às atividades de resposta aos efeitos da cheia, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários, desde que possam ser concluídas dentro do prazo de validade do decreto.

G1