Conectado por

Rondônia

‘Com certeza vou me vacinar’, diz Governador de Rondônia durante chegada das doses da CoronaVac


Compartilhe:

Publicado por

em

Governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, observando secretário de saúde aplicando primeira dose da vacina contra Covid-19 — Foto: Jefferson Carvalho/Rede Amazônica

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha (Sem Partido), disse que com certeza tomará a vacina contra Covid-19. A declaração foi feita durante a chegada do primeiro lote de imunizantes ao estado nesta terça-feira (19). O avião com 49 mil doses da CoronaVac pousou na Base Aérea de Porto Velho às 9h50 (10h50 horário de Brasília).

Marcos Rocha foi internado com Covid-19 em dezembro de 2020. Ele chegou a ter 40% dos pulmões afetados. A primeira-dama, Luana Rocha, também entrou na UTI com 30% dos pulmões comprometidos.

“Fiquei internado e graças a ação dos médicos eu e minha esposa conseguirmos sair [da UTI], então é uma doença traiçoeira. Tirou a vida de crianças. Essa não é uma doença fácil. Então a chegada dessas vacinas ao estado de Rondônia é um alento para muitas pessoas”, comentou Marcos Rocha.

“Com certeza, eu conversei com médicos, foi muito bem explicado e quando chegar a minha vez na fila da vacinação, sem problema nenhum eu vou tomar sim a vacina”, disse o governador.

A vacina que chegou em Rondônia é a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou no último domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac e da Universidade de Oxford contra a Covid-19.

Eficácia da CoronaVac

 

Os testes da CoronaVac no Brasil foram feitos em 12.508 voluntários – todos profissionais de saúde da linha de frente do combate ao coronavírus – e envolveram 16 centros de pesquisa.

A vacina registrou 50,38% de eficácia global nos testes realizados no país, índice que aponta a capacidade do imunizante de proteger em todos os casos – sejam eles leves, moderados ou graves. O número mínimo recomendado pela OMS, e também pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é de 50%.

Na prática, a CoronaVac tem potencial de:

  • reduzir pela metade (50,38%) os novos registros de contaminação em uma população vacinada;
  • reduzir a maioria (78%) dos casos leves que exigem algum cuidado médico.
  • Além disso, nenhum dos vacinados ficou em estado grave, foi internado ou morreu.

G1