Conectado por

Amazonas

Clínica de Hemodiálise da Beneficente Portuguesa pode acabar com drama dos renais crônicos no Amazonas


Compartilhe:

Publicado por

em

Um marco para acabar com o sofrimento dos pacientes renais crônicos da capital e interior. Foi assim que a vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB), definiu a inauguração da Clinica de Nefrologia do Hospital Beneficente Português de Manaus (Avenida Joaquim Nabuco, Centro), que é mantido pela Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas. O assunto foi abordado pela parlamentar nesta quarta-feira, 3 de março, durante a abertura dos trabalhos da Casa.

A nova clínica da Sociedade Beneficente Portuguesa é dotada de 30 máquinas e se transformou no mais moderno Centro de Hemodiálise do Amazonas. O Hospital Português de Manaus tem caráter filantrópico e o atendimento também vai beneficiar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), minimizando o sofrimento dos renais crônicos e seus familiares.

O projeto prevê a abertura de 180 vagas para pacientes em hemodiálise em três turnos, além de mais 30 vagas para pacientes em diálise peritonial para atendimento da demanda do interior. Para isso, a direção do hospital firmou contrato com a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) e a expectativa é que o atendimento aos renais crônicos comece nas próximas semanas, tão logo sejam feitas as últimas vistorias técnicas no complexo.

“Apresentei uma Moção de Aplauso ao Hospital Português de Manaus, da Sociedade Beneficente Portuguesa, pela inauguração de centro de hemodiálise que vai atender 180 pessoas. Isso vai ajudar a diminuir a ‘fila da morte’ que há mais de quatro anos nós enfrentamos no (hospital) 28 de Agosto”, disse Alessandra, que esteve na inauguração da clínica na noite da última terça-feira, 2 de abril, em companhia da deputada Therezinha Ruiz (PSDB) e do conselheiro estadual de Saúde Thiago Coelho.

Vai fazer a diferença

De acordo com o diretor-presidente do Hospital Português de Manaus, Vitor Vilhena, o projeto foi pensado num atendimento mais abrangente e nesse sentido a parceria com o Governo do Estado vai atender uma demanda reprimida em relação ao serviço.

 “A gente sabe que hoje o Estado tem uma fila grande de pacientes renais que precisam de tratamento, então a gente focou isso dentro da filosofia do hospital de estar prestando saúde para a população. A gente não quis fazer só mais um serviço, a gente quis fazer um serviço que tem potencial de fazer a diferença no nosso Estado”, explicou Vitor Vilhena.

 

Credencimento

Durante seu pronunciamento, Alessandra repetiu o que já tinha dito aos gestores, médicos, enfermeiros e administrativos do hospital na noite anterior: vai trabalhar para que o Governo imediatamente formalize o contrato e o posterior credenciamento da clínica do Hospital Português para que os renais crônicos da capital e interior tenham acesso aos serviços especializados do mais moderno centro de hemodiálise do Amazonas.

A sala do Serviço de Nefrologia do Hospital Português de Manaus recebe o nome do professor Yassunari Ishida, homenagem póstuma da instituição em reconhecimento aos serviços prestados pelo médico à saúde do Amazonas.