Conectado por
Governo de Rondônia

Saúde

Cepa amazonense do Coronavírus pode gerar uma megaepidemia no Brasil, diz Mandetta

Publicado por

em


Continua após a publicidade

O ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta, acredita que o Brasil enfrentará uma megaepidemia causada pela nova variante do coronavírus, encontrada em Manaus, em aproximadamente 60 dias. Em entrevista ao Manhattan Connection, programa da TV Cultura, o político também fez um alerta quanto à falta de cuidados na transferência de pacientes com Covid-19 para outros Estados.

Espaço aéreo fechado para o Brasil

Mandetta pontuou que “o mundo inteiro está fechando os voos para o Brasil e o Brasil está, não só aberto normalmente, como está retirando paciente de Manaus e mandando para Goiás, mandando para a Bahia, mandando para outros lugares sem fazer os bloqueios de biossegurança”.

Como aponta o infectologista Roberto Dias Leite, a ressurgência de casos no Amazonas pode estar associada ao potencial aumento na transmissibilidade ou propensão para reinfecção da nova cepa de coronavírus. Segundo estudos feitos por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Fiocruz Amazonas, a variante teria surgido em Manaus em dezembro e vem se disseminando com rapidez. A Organização Mundial de Saúde (OMS) atesta que ela já é vista em outros oito países.

LEIA TAMBÉM | COLAPSO NA SAÚDE: 25 óbitos e 970 novos casos de Coronavírus nas últimas 24h em Rondônia

Em relação às vacinas contra o coronavírus, o ex-ministro, que deixou o governo em abril do ano passado, afirmou que o imunizante desenvolvido pelos laboratórios Pfizer e BioNTech é o mais chamativo, apesar das condições do Brasil. “Para um País que não tem como chegar uma vacina a -70 graus em todos os rincões, a vacina tanto da Coronavac, quando da AstraZeneca, são aquelas que melhor se aplicam aqui”, disse. “E eu vou tomar aquela que estiver disponível para mim”, conclui.

Fonte: Portal Rondonia