Conectado por

Direto de Brasília

Câmara pretende debater semipresidencialismo para 2030


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Com aval do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), deputados favoráveis ao semipresidencialismo planejam formar um grupo de trabalho para discutir o assunto em 2022. A ideia é promover um debate menos contaminado, sem a participação de atores que se beneficiariam diretamente com as mudanças.

Pela proposta, o sistema político ganha um primeiro-ministro, do Congresso, que passa a ser o chefe de governo, e mantém o presidente da República como chefe de Estado, eleito pelo voto direto.

Para descontaminar o debate, a votação do texto, que será fruto dessa discussão no grupo de trabalho, ficaria apenas para 2023, na nova legislatura. Se aprovado, o semipresidencialismo seria adotado apenas a partir de 2030.

O grupo de trabalho deve ter duração de quatro meses e vai ouvir parlamentares de países como França, Alemanha e Portugal, onde o sistema funciona, para chegar a um sistema próprio, adaptado às características do Brasil.

Apesar da discussão ter a simpatia do presidente Arthur Lira, há resistências dentro do Congresso. O deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) apresentou texto para uma PEC, mas não conseguiu coletar as assinaturas para o protocolo, já que a proposta previa o novo sistema já em 2023.

O parlamentar, no entanto, está promovendo mudanças no texto com a vigência em 2030 e, com isso, reiniciará a coleta das assinaturas. Ele acredita que as resistências serão menores com a nova data:

“A ideia é alterar o projeto para 2030 para que não haja contaminação com o processo eleitoral, para que candidatos como Lula, Doria, Bolsonaro, Moro não possam dizer que estamos tentando interferir em eventuais mandatos. Iremos desinterditar o debate. E essas discussões de médio e longo prazo são importantes para o país, para afastar mesmo qualquer oportunismo ou casuísmo”, disse ao R7 Planalto.

Pela proposta de Moreira, o presidente indica o primeiro-ministro, que precisa ser aprovado pela Câmara e Senado, na prática, formando uma maioria. E, se houver um problema no governo, seria possível substituir o primeiro-ministro, preservando o presidente.

 

 

Noticias.r7.com

Publicidade
Betfair

ALE-RO

ÓTICA DINIZ
Online Cassino


Desenvolvimento