Conectado por

Medicina

Butanvac: governo de SP diz que pedirá nesta sexta à Anvisa autorização para testes; produção começa em maio


Compartilhe:

Publicado por

em

Instituto Butantan anunciou a criação da Butanvac, nova candidata a vacina contra a Covid-19, e disse que pedirá autorização à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda nesta sexta-feira (26) para iniciar os estudos clínicos em voluntários.

Resumo do anunciado pelo Butantan:

  • Os testes podem começar em abril se a Anvisa autorizar
  • A fabricação começa em maio, e 40 milhões de doses estarão disponíveis a partir de julho, mas dependem de aval da Anvisa para serem usadas
  • A tecnologia é a mesma da vacina da gripe
  • A vacina já leva em conta a variante brasileira, a P1
  • A promessa é que a de que a vacina produza uma resposta imune maior que as vacinas atuais

“Protocolaremos esse material ainda hoje e vamos dialogar intensamente com a Anvisa para que ela perceba a importância da autorização do início desses estudos clínicos o mais rapidamente possível, para que possamos em um mês e meio, dois meses e meio, terminar essa fase de avaliação clinica e iniciar a produção”, afirmou o diretor do Instituto, Dimas Covas.

A expectativa do Instituto é a de que, uma vez obtida a autorização, os testes possam ser iniciados em abril. Em maio, o Butantan começa a produção do imunizante.

Segundo Dimas Covas, a vacina começou a ser produzida há exatamente um ano, em 26 de março de 2020. O imunizante foi desenvolvido com matéria-prima brasileira e mesma tecnologia usada na vacina da gripe.

“Essa vacina será integralmente produzida aqui, nós não dependeremos de nenhum insumo, da importação de nenhum insumo, é uma tecnologia que já existe. Essa tecnologia é a mesma que é usada para a produção da vacina da gripe”, disse. O Instituto Butantan é o maior produtor de vacina da gripe do hemisfério sul.

O governador João Doria disse que a Organização Mundial da Saúde também receberá nesta sexta todas as informações da Butanvac, para que acompanhe o desenvolvimento do imunizante.

Ainda de acordo com o governador, a produção da nova vacina será iniciada em maio. Entretanto, as doses só poderão ser usadas após liberação da Anvisa.

João Doria (PSDB), governador de SP, apresenta embalagem da Butanvac, nova candidata a vacina contra o coronavírus — Foto: Reprodução/Governo de SP

O pedido de autorização se refere às fases 1 e 2 de testes da vacina, nas quais serão avaliadas segurança e capacidade de promover resposta imune com 1.800 voluntários. Na fase 3, até 9.000 pessoas irão participar e a etapa vai estipular a eficácia.

O objetivo é encerrar os testes e ter 40 milhões de doses da vacina prontas antes do final de 2021.

Além do Brasil, a Butavac também será testada no Vietnã e na Tailândia, onde a fase 1 já foi iniciada.

CoronaVac

Atualmente, o instituto é responsável pela etapa final de produção da Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Butantan.

A partir do segundo semestre, o Instituto dever nacionalizar a fabricação, com a término da construção da fábrica que será destinada ao imunizante. O Instituto afirma que o desenvolvimento da nova vacina não irá alterar o cronograma da Coronavac.

Candidatas a vacinas no Brasil

O Brasil tem, ao menos, 11 projetos de candidatas a vacina contra a Covid-19, de acordo com levantamento do G1. Todos estão sendo desenvolvidos em universidades e instituições de pesquisa públicas do país.

pandemia já matou mais de 300 mil brasileiros. A imunização vai a passos lentos no Brasil. Balanço da vacinação aponta que 14.074.577 pessoas já haviam recebido a primeira dose nesta quinta-feira (veja atualizações). O número representa 6,65% da população brasileira.

G1