Conectado por

Polícia

Brasileiro suspeito de matar ex na Austrália é visto no Rio de Janeiro


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Suspeito de matar a ex-namorada Cecilia Müller Haddad, 38 anos, e jogar o corpo dela no rio LaneCove, na Austrália, em abril deste ano, o engenheiro Mario Marcelo Ferreira dos Santos Santoro, 40, que voltou ao Brasil no mesmo fim de semana em que a vítima foi encontrada morta, vive, atualmente, no Rio de Janeiro. A polícia australiana segue investigando o caso.

Em maio, Santoro foi visto em frente ao prédio da mãe, na Avenida Atlântica, em Copacabana, Zona Sul do Rio, levando as duas filhas para a escola. O flagra foi feito pela imprensa australiana. No último dia 26, foi expedido na Austrália um mandado de prisão contra Marcelo. De acordo com o UOL, há uma semana que o engenheiro não é mais visto no local.

Procurado pela reportagem, um homem, que se identificou como Marcelo, atendeu à ligação feita pelo UOL. Quando descobriu que era uma repórter, desligou o telefonema e, em seguida, bloqueou o número. A foto da conta do WhatsApp é dele. Mesmo após o bloqueio, a linha continua ativa em nome de Marcelo.

Nesta sexta-feira (29), um detalhe colaborou com as investigações. Graças ao depoimento de uma testemunha, que viu quando o suspeito jogou as chaves do carro de Cecília no Porto de Sydney, a polícia australiana localizou o utensílio, conforme relatou a rede ABC.

Cumprimento de pena fora do país

A extradição é juridicamente impossível, caso Marcelo não tenha dupla cidadania, segundo Renato Vizeu, especialista em direito internacional e presidente da comissão Comissão de Direito Econômico da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Rio. “Caso a Justiça australiana o condene, ela pede à justiça brasileira que se execute a pena. É um processo lento e demorado”, analisou.

A legislação prevê que, independentemente do crime cometido, o inciso 51 do artigo 5º da Constituição brasileira proíbe que brasileiros natos sejam enviados para cumprir pena fora do país. O texto diz que “nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei”.

A imprensa australiana já pediu ajuda às autoridades brasileiras por meio da Interpol. Até o momento, o nome de Marcelo não está inserido na lista. 

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 7 =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento