Conectado por

AL/MT

Botelho marca reunião para decidir com deputados se mantém recurso contra suspensão de nomeação de Maluf


Compartilhe:

Publicado por

em

O deputado Eduardo Botelho (DEM), presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT), marcou para esta terça-feira (26) uma reunião com demais parlamentares para decidir se mantém ou retira o recurso impetrado pela Procuradoria da Casa de Leis para tentar reverter a liminar que suspendeu a nomeação de Guilherme Maluf (PSDB) no Tribunal de Contas.
 
De acordo com Botelho houve um mal-entendido entre ele e o procurador-geral da Assembleia, Grhegory Paiva Pires Moreira Maia, que acabou protocolizando o recurso nesta segunda-feira (25), antes da autorização oficial do presidente. O requerimento segue para a Presidência do Tribunal de Justiça de Mato Grosso até que o pedido de retirada ocorra.
 
De acordo com Botelho, ele havia pedido ao procurador-geral que preparasse um estudo, após a decisão do juiz Bruno D’Oliveira Marques, que deferiu o pedido do Ministério Público de Mato Grosso para suspender a nomeação e posse do deputado Guilherme Maluf no TCE. No entanto, ele afirma que não teria autorizado que fosse protocolado.
 
“Eu disse ‘prepara, mas aguarde amanhã a reunião, pode deixar pronto’, mas ele entendeu que quando eu disse para deixar pronto era pra deixar já peticionado no tribunal”, explicou o presidente da ALMT.
 
Botelho então teria falado novamente com o procurador-geral, pedindo que retirasse o recurso, mas Grhegory Maia recomendou que ele aguardasse a reunião desta terça-feira (26), para que a decisão seja definitiva.
 
“Eu pedi para ele retirar, mas ele pediu para eu aguardar até a reunião, que se fosse ser retirado que retirasse de uma vez, como isso aqui não vai causar grande prejuízo, eu resolvi esperar até a reunião, para decidir se retira ou mantém”, disse o deputado.
 
Botelho ainda disse que o recurso não foi feito em defesa de Guilherme Maluf, mas sim com relação à legalidade da AL/MT no processo de escolha do conselheiro
 
“A questão é recorrer sobre a legalidade do trabalho da Assembleia, daí pra frente não é mais conosco. Agora, o trabalho que nós fizemos aqui foi limpo, transparente, dando liberdade para os deputados e assim nós estamos defendendo. […] Não estou defendendo o nome de ninguém, mesmo porque não defendi desde o início, mas o trabalho da Assembleia sim”, disse  presidente.