Conectado por

Mato Grosso

Botelho diz que está avaliando segundo turno e que irá definir apoio ou neutralidade na quinta

Publicado por

em

Deputado representante da baixada cuiabana, o presidente da Assembleia Legislativa Eduardo Botelho (DEM) declarou que independente da decisão do diretório municipal de seu partido de já ter manifestado apoio a candidatura de Abílio Júnior (Podemos) no segundo turno da eleição em Cuiabá, ele ainda está avaliando se vai apoiar publicamente algum dos dois candidatos e se ficará neutro. A definição, segundo o parlamentar, deve acontecer nesta quinta-feira (19).

Continua após a publicidade

Após receber o deputado federal Carlos Bezerra (MDB), que foi ao seu gabinete na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (18), para pedir apoio ao projeto de reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), Botelho afirmou que nos últimos dias pós-eleição, está conversando com o seu grupo político e aliados, antes de definir quem irá apoiar no segundo turno.

“O deputado Carlos Bezerra veio aqui, tivemos uma reunião. Ele pediu voto para o Emanuel Pinheiro, reuniu com alguns deputados. É natural ter estas conversas agora, nós já conversamos com várias pessoas. Estou ouvindo as pessoas que trabalharam na campanha para depois tomarmos uma decisão. Este é o caminho que quero seguir para decidir se vou apoiar o Emanuel, apoiar o Abílio ou ficar neutro. Esta é a consulta que estou fazendo, vou aguardar e até quinta-feira teremos uma posição”, disse o deputado, que garantiu não ter se posicionado sobre o Senado, apenas pelo partido ter ficado dividido entre dois candidatos.

“Eu fiquei neutro no primeiro turno porque tínhamos duas alas do DEM. Uma apoiando o Nilson e outra apoiando o Fávaro, então eu fiquei neutro. Agora no segundo turno vamos tomar uma posição se vamos ficar neutro, ou se vamos apoiar alguém. Vou também consultar o governador antes de tomar esta posição”, explicou.

O deputado ainda falou de seu bom relacionamento com Emanuel Pinheiro, mas destacou que não tem nenhuma obrigação de apoiá-lo neste segundo turno. “A eleição para o cargo majoritário é muito brigada, há acusações e eu não gostaria de entrar em um embate deste. Mas isso não significa que eu tenho que apoiar ele. Isso é outra situação”, concluiu.

Olhar Direto