Conectado por
Governo de Rondônia

Rondônia

Bairro Jardim Santana lidera em número de queimadas em Porto Velho

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Um levantamento do Corpo de Bombeiros revela que o Bairro Jardim Santana, na Zona Leste de Porto Velho, foi o que registrou o maior número de queimadas no mês de agosto deste ano, chegando a 20 ocorrências. Em segundo lugar, ficaram os bairros Aeroclube e Aponiã com 14 registros de queimadas.

Os dados mostraram ainda, que os bairros Nova Esperança e Novo Horizonte ficaram em 3° lugar com 13 ocorrências cada.

Outro levantamento, feito pela Subsecretaria de Meio Ambiente (SEMA), mostrou que desde o começo de 2019, até a última quinta-feira (29), foram contabilizados 481 registros de queimadas, tanto na zona chacareira como na área urbana da cidade.

No Corpo de Bombeiros de Porto Velho há em serviço três guarnições com 10 militares para combate a incêndio, e mais três militares para acidentes que acontecem na Capital. “Nós já tivemos incêndios de grandes proporções no Estado inteiro, por exemplo, na Rondobrás, e recentemente, no depósito de colchões. Se olharmos para esses incidentes, veremos que a atuação do Corpo de Bombeiros foi rápida e efetiva”, declarou o major.

A avaliação para saber como o fogo começou ou quem o causou, é feito pela Polícia Técnica. “Durante um incêndio, o primeiro trabalho do Corpo de Bombeiros é tirar as pessoas que estejam correndo risco, avaliar o local, verificando o que está mais prejudicado, o que pode se agravar, e por onde se iniciar o combate. Após isso, a área é isolada, e se inicia o combate às chamas”, explicou Merycles Guedes Nunes.

Por outro lado, a Brigada Municipal também continua realizando o combate das queimadas e focos de incêndio tanto na área urbana como na zona chacareira da capital.

Visando diminuir os danos e números de ocorrências realizados pelas queimadas na capital, equipes da Brigada Municipal têm trabalhado arduamente para conter os focos e aplacar a prática criminosa.

Trotes

Na Capital, embora tenha diminuído, os trotes ainda acontecem. “Felizmente nunca houve problemas maiores de chegar no local da ocorrência, e não ter nada, enquanto outro lugar realmente está acontecendo um incêndio. Hoje é feito uma filtragem muito melhor durante as chamadas recebidas. Perguntas necessárias são feitas, discernindo se a ocorrência é verdadeira ou não. Com o sistema de rastreamento de chamada, os trotes diminuíram mais”, finalizou o major.