Conectado por
Governo de Rondônia

Acre

Bactéria ‘super poderosa’ quase mata senador Sérgio Petecão (PSD/AC), diz blogueiro

Publicado por

em


Continua após a publicidade

O senador Sérgio Petecão (PSD) acaba de ser liberado pelos médicos do Senado para ir pra casa, depois de passar três dias internado em estado gravíssimo – e só foi liberado sob o compromisso da família de realizar, com auxílio de enfermeiros, procedimentos hospitalares ininterruptos até que sua saúde seja totalmente reestabelecida. O parlamentar contraiu uma bactéria superpoderosa em suas andanças na semana passada pelos seringais do Acre e ao chegar a Brasília na segunda-feira, 2, apresentando sinais de desidratação aguda foi internado as pressas. “O médico viu minha situação, pediu exames urgentes e quando o resultado chegou eu vi esse povo desesperado. Fiquei com medo”, contou ao Blog do Evandro Cordeiro.

Segundo o próprio Petecão, os médicos descobriram uma bactéria que se alojou em seu organismo, alterando todas as taxas, inclusive com elevado grau de desidratação. “Eu cheguei só às tiras em Brasília, mas ainda fui trabalhar. Lá no Senado passei mal. O médico ficou assombrado quando viu meus exames e quando cuidei que não já estava dentro da ambulância rumo ao hospital”, conta ele. No Hospital, o senador foi internado em regime de isolamento. “Quando eu vi os médicos e enfermeiros entrando todos pareciam uns astronautas, ai eu me preocupei e a Marfisa (Galaão, mulher dele) também. Foi quando perguntei o que estava acontecendo e eles me contaram sobre a bactéria”, afirmou.

Mesmo com cerca de dez quilos mais magro, ainda meio grogue, mas já em casa, o senador conta a história sem perder o bom humor. Deitado, conversou com o Blog pelo telefone. Disse que “escapou fedendo” e que evacuou tudo o que tinha para evacuar até fevereiro de 2020. “Nunca tinha cagado tanto na minha vida”, afirmou, mandando um recado para os amigos no Acre: “Aos meus amigos diga que sai inteiro dessa e que ainda tenho muita raiva a fazer por ai. Nós só não avisamos a ninguém para não deixar algumas pessoas preocupadas e outras aumentando a história”.