Conectado por

Festas & Eventos

Artesãs e mães de participantes fazem figurinos de personagens da Cavalhada em Mato Grosso


Compartilhe:

Publicado por

em

Os preparativos para a Cavalhada começam seis meses antes do evento. As roupas usadas como figurino na encenação são feitas pelas artesãs e mães dos participantes. O espetáculo é realizado anualmente em Poconé, a 104 km de Cuiabá, desde o século XVIII e representa a batalha entre dois exércitos: o dos Cristãos e o dos Mouros.

A última edição da festa realizada no dia 23 de junho foi acompanhada por uma equipe da TV Centro América. A reportagem especial sobre o evento vai ao ar no próximo sábado (27).

As roupas usadas pelos personagens são confeccionadas de forma artesanal, com lantejoulas, fitas, flores, miçangas e cetim.

As calças são largas tipo bombachas, camisas estilo túnicas. Além das vestimentas, são utilizados chapéus, botas de cano alto e cintos largos.

Roupas têm detalhes em miçangas, fitas e lantejoulas — Foto: José Medeiros/Gcom-MT

Roupas têm detalhes em miçangas, fitas e lantejoulas — Foto: José Medeiros/Gcom-MT

Nilza Figueiredo é mulher de cavaleiro Mouro, mãe de outros dois cavaleiros e avó de um pajem, que está sendo preparado para, um dia, se tornar um cavaleiro. Ela foi quem confeccionou as roupas dos familiares e até dos cavalos que também são vestidos a caráter.

Segundo ela, a preparação começa muito tempo antes da festa.

“A Cavalhada é uma sementinha que você planta todo ano. Terminou vamos lá trabalhar e fazer melhor. É uma preparação, termina uma Cavalhada a gente já fica pensando como vai está às roupas, vamos lavar, o que vai ser refeito. A preparação é para o ano todo e em todos os aspectos, terminou uma já começa produzir outra”, comentou Nilza.

Para as artesãs as roupas são o mais importante, porque devem representar muito bem a época que eram feitas. O trabalho é minucioso. Por isso, ao fim da edição, as roupas são verificadas e tratadas para serem bem guardadas para serem utilizadas e refeitas para o próximo ano.

Moradores fazem parte da encenação da Cavalhada — Foto: José Medeiros/Gcom-MT

Moradores fazem parte da encenação da Cavalhada — Foto: José Medeiros/Gcom-MT

A Cavalhada em Mato Grosso

A Cavalhada chegou a Mato Grosso no ano de 1769 e fixou-se em Poconé, como ato de louvação aos santos, em especial ao Divino Espírito Santo e ao Glorioso São Benedito. Durante todo o período de sua existência, sofreu diversas interrupções, tendo hibernado durante os anos de 1954 a 1990.

Em 1991, os festeiros de São Benedito fazem ressurgir a Cavalhada, amparados pelos corações saudosos dos cavaleiros poconeanos, tudo numa atitude de cidadania, tendo como ponto de referência o fortalecimento da fé, da união e a preservação cultural do povo.

A Cavalhada, realizada anualmente no mês de julho, durante a Festa de São Benedito, é uma das manifestações culturais mais autênticas de Mato Grosso, atraindo não só a população pantaneira, mas turistas de todo país e exterior.

Figurinos começam a ser feitos 6 meses antes — Foto: José Medeiros/Gcom-MT

Figurinos começam a ser feitos 6 meses antes — Foto: José Medeiros/Gcom-MT