Conectado por

Política

Ameaças a compradores e produtores de café podem levar ao impeachment do vice-governador de RO


Compartilhe:

Publicado por

em

O vice-governador de Rondônia, Zé Jodan (PSL), passou a enfrentar, a partir desta terça-feira, um pedido de impeachment protocolado na Assembleia Legislativa pelo mesmo advogado que também está pedindo a cassação do governador Marcos Rocha (PSL) por crime de responsabilidade.

Nesta terça, Caetano Vendimiatti Neto, autor do pedido de enquadramento de Marcos Rocha, protocolou, na Assembleia Legislativa, pedido de impeachment do vice, Zé Jodan, por “ofensa à norma constitucional estadual e cometimento de crime de responsabilidade por ameaça fiscal, abuso de poder, revelando atuação incompatível com o cargo”.

Segundo o pedido, Zé Jodan afrontou princípio constitucional estadual, quanto a atribuição e competência afetas ao cargo de vice-governador, com cometimento de abuso de poder  ao promover ameaça fiscal, com o uso da máquina pública,   em desfavor de produtores e compradores de café , durante reunião ocorrida na cidade de Novo Horizonte.

Para o denunciante, Zé Jodan, ao ameaçar os produtores e compradores de café – seus concorrentes diretos na iniciativa privada, pois o vice é um dos maiores empresários do setor -, atuou de modo incompatível com a dignidade do cargo, honra e o decoro, conforme comprova a divulgação de áudio em rede social.

ENTENDA O CASO

O vice-governador de Rondônia, Zé Jodan (PSL), um dos maiores comerciantes de café do estado, aproveitou uma reunião no município de Novo Horizonte para ameaçar seus concorrentes na iniciativa privada.

Ele anunciou que usará o setor de “inteligência” do Governo para promover uma devassa policial nas empresas que comercializam café, justamente o setor em que ele atua fortemente como empresário.

As ameaças de Zé Jodan contra seus concorrentes chegaram  ao conhecimento dos deputados estaduais por meio de um vídeo gravado durante o encontro do vice com os empresários e geraram   uma série de críticas “ao terrorismo que ele pretende promover, usando a máquina estatal,  contra a concorrência”, como definiu o presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB).

No vídeo, o governador afirma que policiais estarão nas empresas de madrugada para fiscalizar os empresários. Na mesma fala, ele diz que os comerciantes passarão a ser visitados por policiais, não por fiscais da Secretaria de Finanças.