Conectado por

Amazonas

AM ultrapassa marca de 10 mil casos confirmados do novo coronavírus; 806 pessoas morreram

Publicado por

em

O Amazonas ultrapassou a marca de 10 mil casos confirmados do novo coronavírus, nesta quinta-feira (7). Nas últimas 24h, o estado registrou 856 novos casos e, agora, o total chegou a 10.099. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), do total de pessoas infectadas, 806 morreram com a Covid-19. O boletim desta quinta aponta, ainda, que mais de 6 mil pessoas contaminadas já se recuperaram da doença.

Nessa quarta-feira (6), a Justiça negou a adoção do “lockdown” no Amazonas, bloqueio total de circulação de pessoas, após um pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE). Com a curva de contágio da Covid-19 em crescimento, quase 90% dos municípios do estado já possuem casos de infectados.

O boletim da FVS aponta que, do total de casos confirmados da doença, 5.897 são de Manaus (58,39%) e 4.202 do interior do estado (41,61%). Manacapuru agora registra 700 casos confirmados da Covid-19 e lidera a taxa de incidência e mortalidade pela doença no Brasil.

Outros 52 municípios já têm casos confirmados: Manacapuru (700); Parintins (324); Tabatinga (292); Santo Antônio do Içá (226); Iranduba (200); Tefé (211); Rio Preto da Eva (188); Coari (182); Itacoatiara (177); Maués (162); Careiro Castanho (155); São Paulo de Olivença (124); Presidente Figueiredo (136); Carauari (118); Autazes (126); Tonantins (73); Amaturá (65); Boca do Acre (73); Anori (56); Benjamin Constant (55); Urucará (48); Silves (34); São Gabriel da Cachoeira (41); Nova Olinda do Norte (31); Tapauá (41); Fonte Boa (27); Maraã (27); Barreirinha (23); Manaquiri (23); Novo Airão (23); Careiro da Várzea (22); Lábrea (22); Beruri (21); Itapiranga (18); Canutama (15) e Novo Aripuanã (15).

Os municípios de Barcelos e Urucurituba têm 14 casos cada um. Borba tem 13 casos. Boa Vista do Ramos e Jutaí têm 11 casos cada. Manicoré tem 9 casos. Eirunepé e Caapiranga têm 8 casos cada. Codajás, Santa Isabel do Rio Negro e São Sebastião do Uatumã têm 7 casos cada um. Anamã tem 6 casos. Humaitá tem 5 casos. Nhamundá tem 4 casos, Alvarães tem 2 casos. Os municípios com apenas um caso confirmado são: Atalaia do Norte e Juruá.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 435 pacientes internados, sendo 274 em leitos clínicos (141 na rede privada e 294 na rede pública) e 161 em UTI (73 na rede privada e 88 na rede pública).

Há ainda outros 1.312 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 652 estão em leitos clínicos (194 na rede privada e 458 na rede pública) e 225 estão em UTI (91 na rede privada e 134 na rede pública).

O boletim aponta que 2.699 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão em isolamento social ou domiciliar. Outras 6.159 pessoas já passaram pelo período de quarentena (14 dias) e se recuperaram da doença.

Mais de 800 pessoas do AM já morreram com Covid-19

Nas últimas 24h, conforme boletim da FVS-AM, foram confirmados mais 55 óbitos pela doença. Agora, o número de pessoas que morreram por Covid-19 no Amazonas chega a 806.

Entre pacientes da capital, até o momento, são 563 pessoas que morreram com o novo coronavírus. No interior, 34 municípios registraram, juntos, 243 mortes pela doença. Outros 120 óbitos estão em investigação e 44 foram descartados para o novo coronavírus.

O número de mortes em Manaus disparou desde o início da pandemia do novo coronavírus até o dia 25 de abril e está 108% acima da média histórica. A análise exclusiva para o G1 foi feita pelo epidemiologista Paulo Lotufo, da USP, com base em dados capturados do Portal da Transparência do Registro Civil pelo engenheiro de software Marcelo Oliveira.

A quantidade de mortes por síndromes respiratórias e causas indeterminadas registradas durante a pandemia indica que o número de pessoas que morreu por Covid-19 pode ser sete vezes maior do que o divulgado oficialmente. Na capital, o sistema funerário se aproxima do colapso e empresas privadas correm para reabastecer o estoque de caixões, que opera no limite.

Atualmente, a capital amazonense tem uma média de 100 enterros por dia. Os corpos passaram a ser enterrados em valas comuns e a Prefeitura de Manaus chegou a realizar enterros de caixões empilhados, medida que foi cancelada após a revolta de familiares.

G1