Conectado por

Acre

‘Algumas pessoas tratam como se ele fosse estranho’, diz mãe de menino autista de 10 anos no Acre

Publicado por

em

Olhares tortos de alguns amigos, caras estranhas e, às vezes, um tratamento diferente. É assim que a servidora pública Cindy Mendes da Silva lembra da reação das pessoas quando falava que o filho, Davi Mendes, de 10 anos, era autista.

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo é celebrado nesta terça-feira (2) e há muitas barreiras e preconceito, segundo a mãe, que ainda precisam ser derrubados.

“Tem muita gente que encara com facilidade, que fala que temos que procurar nossos direitos, mas têm outras pessoas que tratam como se ele [filho] fosse estranho, ainda há muito o que aprender”, lamentou.

Cindy percebeu que o filho tinha algo de diferente quando ele tinha quatro anos. Davi tinha dificuldades na coordenação motora, não desenvolvia a fala e não conseguia expressar o que direito o que queria.

“A gente sentia que ele era diferente, e a nossa preocupação era que ele precisava ter um acompanhamento específico. Porque ele vai crescer, vai viver a adolescência dele e a vida adulta. Como ia conseguir interagir com as outras pessoas? Essa era a preocupação maior. O medo era ter um diagnóstico errado ou não ter”, afirmou.

Diagnóstico

A servidora conta que após perceber que havia algo diferente no filho ela começou uma maratona de consultas e exames com Davi. Depois dos exames, veio o resultado: Davi tinha autismo. A mãe disse que a família estava preparada para receber a notícia, a preocupação maior era mesmo em descobrir o problema logo.

Atualmente, Davi tem acompanhamento pedagógico duas vezes por semana, faz terapia ocupacional, psicoterapia e fonoterapia. Trabalhos fundamentais, de acordo com a mãe, para melhorar a qualidade de vida do filho.

“Procuramos que ele tenha o tratamento adequado para desenvolver bem. Melhorou bastante, porque na escola tem a atenção certa para que desenvolva e possa acompanhar os colegas da turma. Em casa ele passou a participar mais, conversar e interagir com outras crianças”, relatou.

Cindy fala que as pessoas com autismo têm uma forma especial de se expressar e desenhar é a do Davi. É assim que ele gosta de conversar, interagir e se divertir.

Davi contou que o que mais gosta de fazer é desenhar dragões. Segundo ele, as inspirações vêm do filme ‘Como Treinar Seu Dragão’, um dos desenhos favoritos dele.

“Acho que sim [que desenha bem]. Assisto ‘Como Treinar Seu Dragão’, então, por isso, gosto de desenhar dragão”, afirmou Davi.

Davi Mendes foi diagnosticado com autismo aos quatro anos de vida  — Foto: Reprodução

Davi Mendes foi diagnosticado com autismo aos quatro anos de vida — Foto: Reprodução

Acompanhamento

A pediatra especialista em neurologia infantil Bruna Beyruth explicou que não há um sinal específico que define que a criança tenha o Transtorno Espectro Autista (TEA). Os pais precisam ficar atentos ao desenvolvimento do filho e, ao perceberem que a criança não acompanha o desenvolvimento das demais, devem procurar um especialista.

“Apresentam dois sinais e características clínicas que são dificuldade de interação ou de socialização, seja ela por fala, por dificuldade de interagir entre os pares e a presença de rotinas e movimentos estereotipados, que são as manias e rituais que apresentam”, explicou.

Ainda segundo a especialista, os possíveis sinais que a criança pode ter autismo aparecem entre um ano e meio a dois anos de vida.

“A criança não se torna autista, são causas multifatoriais. A maioria dos casos são genéticos, os pais precisam procurar ajuda quando perceberem que a criança não acompanha o desenvolvimento das demais”, complementou.

A profissional reforçou que quanto mais cedo a criança foi diagnosticada, melhor para começar o tratamento e as terapias. Segundo ela, diagnóstico precoce facilita as intervenções e a evolução das crianças.

“As terapias são baseadas em acompanhamento multidisciplinar, aí temos a ajuda da nossa rede de saúde com fonoaudiologia, psicoterapia, terapia ocupacional, além de outras áreas como nutricionista. Sabemos que alguns casos de autismo têm a seletiva alimentar e, assim, caso a caso vai sendo avaliado”, finalizou a neurologista infantil.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *