Conectado por

Mato Grosso

Acrimat entrega Carta do Pantanal ao ministro do Meio Ambiente

Publicado por

em

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Ribeiro, acompanhado de diretores da instituição e de representantes de mais noves entidades entregaram ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na tarde desta terça-feira (18/08) a Carta do Pantanal Mato-grossense, documento com demandas importantes em três áreas: Política de Desenvolvimento, Política de Combate ao Fogo no Pantanal e a Política de Sustentabilidade.

Continua após a publicidade

Na oportunidade, o pantaneiro, pecuarista e diretor da Acrimat Cristovão Afonso da Silva, morador do Pantanal há mais de 50 anos, falou por cerca de 10 minutos ao ministro, destacando que o pantaneiro é a preservação do Pantanal, que ele é responsável por práticas que garantem a sustentabilidade daquele ambiente. “A cultura regional pantaneira é ligada a figura do homem pantaneiro, é preciso executar políticas públicas que deem visibilidade e permitam a continuidade social do homem pantaneiro em seu ambiente, preservando a cultura e o modo de vida local, bem como o bioma que sempre o deu abrigo em total harmonia”.

A respeito das demandas especificadas no documento, cada um dos três eixos exemplifica mudanças fundamentais para o bioma e para aqueles que nele vivem e que dele sobrevivem, como a alteração da Lei nº 9985, visando permitir que as Unidades de Conservação, em especial as Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) mantenham as pesquisas e ainda, possam ter exploração econômica, a exemplo de pecuária extensiva pantaneira, que reúne o trinômio gado, cavalo, homem pantaneiro, e ainda, que essa atividade esteja apta a receber visitação do turismo e ou pesca esportiva.

A extinção da criação e ampliação de Unidades de Conservação no Pantanal, diminuição das taxas de regularização ambiental para as propriedades rurais e criação de programa de manejo fogo, como instrumento de combate, controle e prevenção aos incêndios florestais no Pantanal, bem como edição de Norma Técnica para permitir aceiros a partir de um tamanho mínimo de largura para o Pantanal também fazem parte das demandas levadas ao ministro Ricardo Salles.

A criação de um Centro de Recebimento e Triagem de Animais Silvestre do Bioma Pantanal no município de Poconé também foi incluído no documento. A criação do Programa PANTANAL + é outro ponto de destaque da Carta.

Associações e Sindicatos

Assinaram o documento os representantes das seguintes entidades: Normando Corral (Federação da Agricultura e Pecuária do estado de Mato Grosso – FAMATO); Leandro Pio da Silva Campos (Associação brasileira dos Criadores do Cavalo Pantaneiro); Fabio da Silva Gomes (Sindicato Rural de Poconé); Ida Beatriz Machado de Miranda Sá (Sindicato Rural de Cáceres); Ivan Freitas da Costa (Associação Defesa do Pantanal); Benedito Francisco de Almeida (Sindicato Rural de Nossa Senhora do Livramento); Breno Molina (Associação dos Criadores do Nelore de Mato Grosso); Celso Domingos Nogueira (Sindicato Rural de Cuiabá) e Antônio Carlos Carvalho de Sousa (Sindicato Rural de Santo Antônio de Leverger).

Assessoria