Publicada em 15/04/2014 às 17:36

Telexfree apresenta lista de credores e exclui divulgadores

Donos listaram 30 pessoas físicas e jurídicas, entre elas, parentes. Empresa entrou com pedido de recuperação judicial, em Nevada, EUA.

 
 
 
 
Carlos Roberto Costa, presidente da Telexfree - 09/07/2013 (Foto: Edson Chagas/ Arquivo Gazeta)
Carlos Roberto Costa, presidente da Telexfree - 09/07/2013 (Foto: Edson Chagas/ Arquivo Gazeta)

Depois de bloquear os rendimentos dos seus associados, a Telexfree nos Estados Unidos admite que está sem dinheiro para pagar os divulgadores. A empresa entrou com pedido de recuperação judicial e, segundo o site do Judiciário do Estado de Nevada, a dívida do negócio pode chegar a US$ 500 milhões, ou seja, mais de um R$ 1,1 bilhão.

Para evitar a bancarrota, a companhia apresentou à Justiça uma lista com os seus principais credores. A relação exclui os mais de um milhão de investidores para priorizar 30 pessoas físicas e jurídicas. Entre essas estão parentes, esposas e amigos dos sócios da Telexfree, além do nome dos principais líderes da empresa no Brasil e no exterior.

A notícia de que a empresa está em processo de falência foi anunciado em vídeo, publicado ontem no Facebook da companhia. O diretor de Marketing da corporação nos EUA, Carlos Roberto Costa, dono da Ympactus Comercial, que representa a Telexfree no Brasil, disse que a medida foi necessária para permitir que a companhia continue a oferecer seus serviços e produtos.

Segundo Costa, a situação de quase falência da Telexfree é culpa da perseguição que a corporação tem passado por todo o mundo, principalmente no Brasil. Ele argumenta que o congelamento das atividades e dos recursos no Brasil pela Justiça do Acre foi crucial para que a empresa não conseguisse mais sobreviver. Costa alegou ainda que o negócio foi muito prejudicado pela ação civil pública aberta pelo Ministério Público do Acre.

Na rede
No Facebook da empresa, divulgadores mostraram estar preocupados. Muitos estão com medo de perder o investimento feito tanto na rede brasileira quanto internacional. É que em junho do ano passado os negócios da Telexfree foram congelados no Brasil. Impedida de atuar aqui, a empresa passou a recrutar seguidores para a rede americana.

Quem investiu dinheiro tanto na empresa brasileira quanto dos Estados Unidos corre risco de perder duplamente as aplicações. Em nota à imprensa, divulgada no site da empresa, a companhia afirma que espera ter dinheiro suficiente para manter os negócios durante sua reorganização e dar continuidade aos serviços aos seus consumidores.

Recuperação
No Espírito Santo, o Tribunal de Justiça decidiu há algumas semanas que a empresa não tem direito à recuperação judicial. Nos Estados Unidos, há três pedidos de recuperação: da Telexfree INC, situada em Massachusetts, sede do negócio; da Telexfree LCC, filial em Las Vegas, Nevada; e da Telexfree Financial, na Flórida.

A Corte de Nevada ainda não apreciou as solicitações. As audiências, segundo acompanhamento processual no site do órgão, vão ocorrer nos próximos dias. Será ainda necessário ouvir os credores.

Mas no vídeo postado no Facebook, Carlos Costa disse que apesar de o Brasil não ter aceitado ajudar a empresa a se reerguer, a Justiça nos Estados Unidos agiu diferente. Segundo ele, o órgão já acatou as solicitações. “A Telexfree aqui não tem pessoas que vão correr, pessoas que vão sumir. Não, ninguém está fazendo nada errado e a maior prova disso é a empresa ter conseguido a recuperação judicial nos Estados Unidos”.

Autor: G1 ES
Fonte: G1.COM

Comente com o Facebook