Publicada em 10/06/2016 às 13:48

Sustentabilidade: indústria do aço reaproveita 88% dos resíduos gerados

Instituto Aço Brasil divulga Relatório de Sustentabilidade durante o Congresso Brasileiro do Aço.

Instituto Aço Brasil divulga Relatório de Sustentabilidade durante o Congresso Brasileiro do Aço. Preocupado em criar uma relação de responsabilidade solidária com os terceirizados do ramo de carvão vegetal, setor reporta evolução de Protocolo e lança cartilha de orientação ambiental e social, durante encontro em São Paulo

Durante o processo produtivo da indústria brasileira do aço cerca de 20 milhões de toneladas de coprodutos e resíduos são gerados por ano, mas em 2014 e 2015 o setor conseguiu reaproveitar, respectivamente, 87% e 88% deste material em sua própria produção ou nas indústrias da cadeia, como a do cimento. Apesar da crise, as empresas do setor mantiveram seus investimentos em ações de proteção ambiental, que alcançaram R$ 2,5 bilhões nestes dois anos. Metade da energia consumida nos processos produtivos, por exemplo, já é gerada pelas próprias indústrias e mais de 95% da água doce utilizada está sendo reutilizada. Estes dados estão relatados no Relatório de Sustentabilidade, que acaba de ser divulgado pelo Instituto Aço Brasil, durante o Congresso Brasileiro do Aço, em São Paulo.

De edição bianual, o relatório demonstra que a indústria do aço está comprometida com os princípios da economia circular, baseada na regeneração e na reciclagem dos recursos naturais e na valorização dos recursos humanos.

Foto Marcos Issa/Argosfoto

"O Brasil vem cumprindo seu dever de casa e não deixa a dever a nenhum parque industrial do mundo", destaca Luiz Paulo Barreto, Diretor Corporativo Institucional da Companhia Siderúrgica Nacional. A CSN é, inclusive, a primeira empresa a aderir à rede de economia circular da Fundação Ellen MacArthur, se comprometendo a avançar em práticas sustentáveis.

Carvão Vegetal - Também foi lançada no congresso a cartilha Boas Práticas na Produção de Carvão Vegetal. A publicação será distribuída nas regiões Sudeste e Norte do Brasil, onde se concentra a maior parte dos produtores de carvão, e tem como finalidade esclarecer e orientar sobre medidas que podem evitar danos ao meio ambiente e proteger os trabalhadores de acidentes e de problemas de saúde provocados pela atividade.

A indústria do aço brasileira ainda não é autossuficiente na produção de carvão vegetal para a produção de ferro gusa e aço. Da madeira utilizada para a produção de carvão vegetal, em 2014, 85% foram oriundos de florestas próprias, 8% de florestas plantadas por terceiros e 7% de resíduos florestais legalizados. Já em 2015, 86% eram oriundas de florestas plantadas próprias, 10% de terceiros e 4% de resíduos florestais devidamente legalizados.

Preocupado em construir uma relação de responsabilidade solidária com os terceirizados deste ramo, o Aço Brasil criou o Protocolo do Carvão Vegetal em 2012, cujo reporte de atividades integra o Relatório de Sustentabilidade das empresas associadas. A cartilha contém instruções sobre temas como replantio de florestas e origem da madeira, uso de equipamentos de segurança e direitos dos trabalhadores.

 

Autor: Assessoria
Fonte: O Nortão

Comente com o Facebook