Publicada em 09/01/2017 às 19:44

Sem balsa principal, moradores ficam 'ilhados' durante travessia no Acre

Pela rodovia, são 45 Km percorridos entre Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves. Marinha diz que balsa tinha irregularidades, mas que não foi retirada.

Balsa principal está parada e prejudica travessia entre Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves  (Foto: Jhonatas Fabrício/Arquivo pessoal)Mais uma vez o sistema de travessia entre as cidades de Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves, no interior do Acre, voltou a ser alvo de reclamações de quem usa a balsa no Rio Juruá. Esta semana, a embarcação Ester, a principal que faz o serviço, está sem funcionar. O proprietário da embarcação, Assem Cameli, diz que ainda está verificando o que pode ter ocorrido.

Para tentar amenizar o impacto, pequenas balsas são usadas para fazer a travessia, porém, elas funcionam durante o dia. À noite, geralmente, os moradores das duas cidades não têm acesso ao serviço.

Com a balsa em funcionamento, o trajeto entre os dois municípios é de 11 quilômetros. Já com a embarcação parada, os carros precisam fazer um retorno pela Rodovia AC-405, percorrendo quase 45 quilômetros. É comum a embarcação ter problemas de manutenção, como em outubro, quando a balsa ficou mais de uma semana parada devido a um problema no motor.

O comandante da Marinha em Cruzeiro do Sul, capitão-tenente Oziel Albino, explica que a balsa passou por uma inspeção quando foram verificadas algumas irregularidades, mas que não eram proibitivas. "Até onde se sabe, o proprietário teria retirado a balsa, mas não foi uma decisão da Marinha", garante.

Albino diz ainda que uma outra balsa foi colocada no lugar para fazer o serviço, mas estava com documentos irregulares e também alguns problemas estruturais.

O estudante Victor Antônio, de 20 anos, não só foi prejudicado, como também ficou no prejuízo. Ele conta que teve que ir em Cruzeiro do Sul para acompanhar um primo que fez uma microcirurgia na mão.

Quando tentaram voltar para Rodrigues Alves, por volta das 23h, não havia mais atravessadores e tiveram que passar a noite em Cruzeiro do Sul.

"Corremos pelas margens do rio e batemos na casa de quatro balseiros e todos disseram que não iam atravessar. Ficamos lá até às 2h da manhã, porque a gente ia ficar até de manhã. Mas, não aguentamos por conta do sono. Alugamos um quarto em Cruzeiro do Sul e esperamos amanhecer", conta.

Durante o dia, é cobrado R$ 3 para atravessar moto, R$ 7 para carro e R$ 10 para caminhonete. Porém, Antônio alega que já chegou a pagar até R$ 30 pela travessia de uma moto. "Para sair de casa, tem que chegar bem antes, senão fica ilhado. E a rodovia é cheia de buraco e sem iluminação. Antes os balseiros brigavam pelas pessoas, agora que a embarcação está esculhambada, eles dão o preço que querem e fazem o que bem entendem com a gente", reclama.

 

Promessa da ponte


Durante campanha em 2014 em Cruzeiro do Sul, o governador do Acre, Tião Viana, prometeu a construção de uma segunda ponte que ligaria diretamente Cruzeiro do Sul a Rodrigues Alves.

Atualmente, os moradores de Rodrigues Alves conseguem chegar em Cruzeiro do Sul através da balsa ou pela rodovia AC-405. Pela rodovia, são 44 quilômetros de distância entre uma cidade e outra. Com a ponte, os moradores teriam acesso direto ao Centro de Cruzeiro do Sul.

Autor: Do G1 AC
Fonte: Do G1 AC

Comente com o Facebook