Publicada em 13/09/2017 às 13:47

Presidente da Assembleia de Rondônia conhece projeto do etanol social, produzido de batata-doce

Maurão afirmou que são inovações como esta que Rondônia precisa, para seguir crescendo, gerando renda e novas oportunidades, com um cuidado ambiental.

Presidente da Assembleia conhece projeto do etanol social, produzido de batata-doce

Presidente da Assembleia-ALE/RO, conhece projeto do etanol social, produzido de batata-doceA batata-doce já é cultivada em várias regiões de Rondônia, mas agora deverá ganhar um novo impulso. É que o município de Theobroma, na região de Jaru, vai ganhar uma usina de produção de etanol a partir da raiz tuberosa, que é rica em amido, base do biocombustível.

O presidente da Assembleia Legislativa-ALE/RO, Maurão de Carvalho (PMDB), se reuniu em seu gabinete, com o prefeito de Theobroma, Claudio Santos (PMDB), acompanhado dos vereadores, Gilliard (PSC), Ronei (PRB) e Carlinhos (PRP). O pesquisador responsável pela implantação do projeto, Aldo Silva, fez uma breve apresentação das vantagens do novo método de produção de etanol.

"A batata-doce é uma cultura de fácil trato, que não requer grandes áreas para plantio e produz um etanol a um custo mais baixo, sem queima, sem nenhuma agressão ao meio ambiente. Gera renda para a agricultura familiar e é ecologicamente correto. É uma grande descoberta da bioenergia", disse Aldo.

Maurão afirmou que são inovações como esta que Rondônia precisa, para seguir crescendo, gerando renda e novas oportunidades, com um cuidado ambiental. "Com certeza, em sendo implantada a usina, toda a região vai sair ganhando. A batata-doce é uma cultura já conhecida e precisa de baixo investimento para ser implantada, sendo diretamente ligada à agricultura familiar. É mais uma alternativa de renda que vai garantir a permanência de famílias no campo, produzindo", destacou o deputado.

O prefeito pediu apoio do parlamentar para que o projeto possa seguir adiante. "Nosso município vai ganhar um novo impulso com esse investimento. Theobroma só tem a ganhar, desde o ponto de vista econômico até ambiental".

O projeto aguarda aprovação no Conselho de Desenvolvimento do Estado de Rondônia (Conder), para que sua implantação seja efetivada.

Autor: ALE/RO - DECOM
Fonte: O Nortão

Comente com o Facebook