Publicada em 11/01/2018 às 16:38

Mulher que pulou de janela para fugir do marido em Manaus tentou 'tirar a culpa dele', diz delegada

Ela tentou "tirar a culpa" dele, afirmou a delegada que está cuidando do caso, ocorrido nesta terça-feira, no bairro Lago Azul, na Zona Norte da capital do Amazonas. A vítima, de 23 anos, está internada e corre risco de ficar paraplégica.

Em depoimento à polícia, a moradora de Manaus que se jogou do segundo andar de um prédio para fugir das agressões do marido embriagado tentou "tirar a culpa" dele, afirmou a delegada que está cuidando do caso, ocorrido nesta terça-feira, no bairro Lago Azul, na Zona Norte da capital do Amazonas. A vítima, de 23 anos, está internada e corre risco de ficar paraplégica.

A mulher, cuja identidade não está sendo divulgada para proteger a vítima, se atirou da janela pra escapar do marido, que estava batendo nela por suspeitar de uma traição. Ele foi preso em flagrante, mas pagou uma fiança de R$ 2,5 mil para responderar em liberdade por lesão corporal, injúria e violência doméstica. O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM).

De acordo com a delegada Débora Mafra, a vítima se sentia culpada durante o depoimento e tentou amenizar o que aconteceu, apesar do medo que sentiu de ser morta pelo marido, de 28 anos. Segundo Mafra, ela já vinha sofrendo abusos de brigas anteriores.

— Ela acreditava que o flagrante era pela queda dela da janela. Dizia que tinha se jogado, que ele não a jogou e que não queria que ele fosse preso por isso. Mas nós dissemos que a prisão seria pela violência de antes da queda dela, como injúria, ameaça e lesão corporal. Ela se sentia culpada e queria tirar a culpa dele — disse a delegada ao EXTRA. — Se jogou pelo medo de não saber o que ele faria. Ela chegou a um pavor, um desespero tão grande, que preferiu pular do apartamento.

Parentes da vítima ouvidos pela delegacia aconselham a jovem a terminar o relacionamento de três anos com o pai da sua filha de 9 meses. Débora Mafra contou que o criminoso chegou à delegacia para prestar depoimento, logo após o ocorrido, com a menina nos braços. Revoltada, a família da mulher está cuidando do bebê durante a internação da vítima no Pronto Socorro Platão Araújo (ainda não há informações atualizadas sobre o estado de saúde dela).

— A menina está agora com a família da mãe. Os parentes estão dando forças para ela fazer um pedido de medida protetiva na Justiça e se separar dele.

Sobre as agressões e ameaças, a mulher não deu mais detalhes.

— Por ciúmes, ele passou a noite fora de casa e voltou embriagado, às 8h, acusando a mulher de estar com outra pessoa. Ele a humilhou e bateu a cabeça dela na parede, deixando uma lesão no rosto. Depois, ele teria dito: "Você não sabe o que eu faço com você". Ela disse, então, que "seria melhor morrer" do que ser morta por ele, e se jogou da janela — relatou Mafra.

Em seguida, o marido desceu correndo para o local onde estava a jovem, mas os vizinhos, que ouviram os gritos e o barulho da queda, também foram ajudá-la e o impediram de tomar qualquer atitude.

De acordo com a delegada, o marido da vítima tem um histórico de comportamento agressivo.

— Ele impôs o mesmo tipo de relacionamento abusivo com outra companheira em 2014. Cortou o braço e o pescoço da ex com uma faca. Mas ela deve ter desistido de prestar queixa, e esse caso ficou registrado apenas no boletim de ocorrência — afirmou a delegada.

Além disso, também há registros contra ele feito por um frentista, que acusou o homem de tentar atropelá-lo com um carro, e por um vizinho após uma briga.

Autor: extra.globo.com
Fonte: extra.globo.com

Comente com o Facebook