Publicada em 14/12/2017 às 10:14

Juntos, homens que tentaram matar vereador no interior do Acre são condenados a 26 anos de prisão

Acusados foram sentenciados a 15 e 11 anos de prisão, respectivamente. Crime ocorreu em Porto Acre, quando vereador chegava em casa com a família.

João Paulo Guimarães foi baleado quando chegava em casa com a família em Porto Acre (Foto: Reprodução/Facebook )Justiça do Acre condenou dois homens acusados de tentativa de latrocínio contra o vereador João Paulo Guimarães, baleado durante um assalto em maio deste ano.

Denilson Magalhães de Freitas e José Roberto da Cruz Lima foram condenados a 15 anos e dois meses de prisão e 11 anos e 10 meses, respectivamente, em regime fechado.

João Paulo Guimarães foi baleado quando chegava em casa com a família em Porto Acre (Foto: Reprodução/Facebook )

O crime ocorreu quando Guimarães chegava na casa dele com a família, na Vila do V, zona rural do município de Porto Acre. Além da prisão, os condenados ainda devem pagar uma indenização de R$ 10 mil ao parlamentar.

A decisão é da Comarca de Porto Acre. Segundo o Judiciário, o pagamento da multa de R$ 10 mil se dá em razão dos danos morais e estéticos causados ao vereador de Porto Acre.

A juíza Ivete Tabalipa lembrou que a mulher do parlamentar estava grávida de cinco meses à época. Os assaltantes levaram celulares e a carteira dele. Depois do fato, a família disse acreditar que o crime foi premeditado e que ele teve a morte encomendada.

Para a magistrada, as provas foram suficientes para demonstrar que os dois acusados foram autores do crime. “Verifico que o crime contra o patrimônio foi consumado e também a tentativa de ceifar a vida da vítima, que somente não se consumou por circunstâncias alheias a vontade do agente”, declarou a juíza em sua decisão.

Ela ressaltou ainda que os condenados usaram violência durante o assalto, porque tinham intenção de matar Guedes, já que ele foi baleado mesmo após entregar os objetos e não esboçou nenhuma reação.

“As consequências do crime foram graves, a vítima além de problemas psicológicos, tem que usar duas bolsas de colostomia, perdeu parte do intestino, com procedimentos de alto custo e diários”, enfatiza a decisão.

 

À esquerda, José Roberto e à direita, Denilson de Freitas, quando foram presos em maio deste ano  (Foto: Aline Nascimento/G1 )

À esquerda, José Roberto e à direita, Denilson de Freitas, quando foram presos em maio deste ano (Foto: Aline Nascimento/G1 )

 
Autor: Luan Cesar
Fonte: G1 AC, Rio Branco

Comente com o Facebook