Publicada em 14/11/2017 às 16:57

Governo do Amazonas vai rever orçamento para mulheres após sugestão de Alessandra Campêlo

Na sessão desta terça-feira, 14, a líder do PMDB na Assembleia Legislativa voltou a criticar alguns pontos que considera equivocados no PLOA de 2018.

Por sugestão da deputada estadual Alessandra Campêlo, o Governo vai rever o projeto de Lei Orçamentária Anual no quis respeito às políticas públicas para mulheres, que na proposta original apresentada tem previsão de queda de recursos e extinção de algumas ações. Na sessão desta terça-feira, 14, a líder do PMDB na Assembleia Legislativa voltou a criticar alguns pontos que considera equivocados no PLOA de 2018.

A deputada questiona a extinção de ações de enfrentamento à violência familiar e doméstica, conforme estudo feito por sua assessoria técnica. Outro ponto polêmico na proposta encaminha pelo Governo, explicou Alessandra, é a redução de R$ 1,2 milhão para R$ 800 mil no orçamento para Gestão e Operacionalização dos Serviços de Atendimento às Mulheres. Campêlo também se mostrou contrariada com a proposta de redução de R$ 1,5 milhão para R$ 250 mil os recursos para Construção e Reformas dos Centros de Atendimento às Mulheres.

 

“Num Estado que lidera as estatísticas de violência contra a mulher, é lamentável que o atendimento e combate à violência contra a mulher sofram redução e até extinção em alguns casos. O gestor, a pessoa que pensou a Lei Orçamentária para 2018 não teve a preocupação de assessorar o governador Amazonino Mendes nesse pensamento voltado para a mulher”, comentou Alessandra, que preside a Comissão da Mulher, das Famílias e do Idoso da ALEAM.

 

Em aparte, o vice-líder do Governo na Casa, deputado estadual Donmarques Mendonça (PSDB), reconheceu os equívocos e disse que o Chefe da Casa Civil, deputado licenciado Sidney Leite, vai rever o orçamento do que diz respeito às questões das mulheres.

 

“Sua intervenção é muito importante para o enriquecimento do próprio trabalho do Estado, principalmente na questão da mulher. O papel do Parlamento é importante nesse processo, que é justamente corrigir possíveis falhas”, comentou Donmarques.

 

Em seu pronunciamento, Alessandra também criticou as propostas que colocam fim a ações de prevenção a drogas e proteção integral à criança e ao adolescente.

 

Autor: ASSESSORIA
Fonte: O Nortão

Comente com o Facebook