Publicada em 09/11/2017 às 01:57

Cuidados necessários ao tomar anti-inflamatórios não esteroides (AINES)

Os AINES também têm alguns efeitos colaterais indesejáveis, mas menores e mais contornáveis que os dos corticosteroides.

Imagem relacionada

O que são anti-inflamatórios não esteroides (AINES)?

Os anti-inflamatórios não esteroides (AINES) são substâncias não corticosteroides com ação anti-inflamatória. Os corticosteroides foram as primeiras substâncias que se reconheceu como tendo potente ação anti-inflamatória. No entanto, eles têm importantes e graves efeitos colaterais. Atualmente, os AINES são uma das classes de medicamentos mais usadas em todo o mundo no tratamento das inflamações, especialmente nas patologias osteoarticulares. Os AINES também têm alguns efeitos colaterais indesejáveis, mas menores e mais contornáveis que os dos corticosteroides.

As principais substâncias não esteroides que funcionam como anti-inflamatórios são diclofenaco, ibuprofeno, naproxeno, nimesulida, indometacina, cetoprofeno, ácido mefenâmico, piroxicam, celecoxibe e etoricoxibe. Todas essas substâncias apresentam mecanismos de ação semelhantes, com pequenas particularidades entre cada uma delas, e todas têm três efeitos básicos: (1) antipirético (abaixam a febre), (2) analgésico (reduzem a dor) e (3) anti-inflamatório.

Qual é o mecanismo de ação dos anti-inflamatórios não esteroides (AINES)?

Os quadros inflamatórios surgem quando há um aumento de produção de uma substância chamada prostaglandina, gerada pela ação de uma enzima chamada ciclo-oxigenase (COX). Os AINES agem inibindo a ação dessa enzima. Sem ela, há menor produção de prostaglandinas e menores estímulos para ocorrer o processo inflamatório. Como é a presença da prostaglandina que estimula o surgimento de inflamação, dor e febre, a sua inibição acaba tendo efeito analgésico, antipirético e anti-inflamatório.

Uma complicação é que existe mais de um tipo de prostaglandina e de COX e nem toda prostaglandina causa inflamação ou febre. A ação dos anti-inflamatórios, além de abortar a inflamação, pode também originar efeitos colaterais.

Imagem relacionada

Quais são os efeitos colaterais dos anti-inflamatórios e como se proteger deles?

Os anti-inflamatórios AINES são medicamentos seguros quando usados de modo adequado. O problema é que esta é uma classe de fármacos muito usada na automedicação e nem sempre com indicações adequadas. Apesar de muito usados e seguros, estão longe de ser isentos de complicações. O seu consumo inadequado por longos períodos pode levar a consequências graves.

Entre os efeitos colaterais que devem ser levados em conta antes de tomá-los estão:

Em pessoas saudáveis, os anti-inflamatórios AINES não geram maiores problemas, quando usados moderadamente. No entanto, não devem ser tomados sem orientação médica por pessoas idosas, mulheres grávidas, pessoas com insuficiência renal, cirróticos, hipertensão descontrolada, insuficiência cardíaca, nas pessoas que consomem álcool regularmente, em pessoas medicadas com anticoagulantes ou com riscos de hemorragias e naquelas com história de úlcera péptica ou gastrite. Nessas pessoas podem ocorrer efeitos secundários graves.

As prostaglandinas agem no estômago inibindo a produção de ácido clorídrico e aumentando a produção do muco que protege a parede do órgão. Como os AINES as inibe, o estômago fica mais sujeito à ação do ácido aumentando o risco do surgimento de gastrite ou úlceras e, por consequência, das hemorragias digestivas altas.

As prostaglandinas também agem nos rins aumentando o fluxo de sangue. Em pessoas saudáveis, a ação delas é baixa e o uso de AINES por pouco tempo acaba não provocando maiores problemas. Porém, pessoas com problemas renais ou com insuficiência cardíaca, desidratação e cirrose, dependem muito da ação das prostaglandinas para manter os rins funcionando bem.

A COX também contribui na estimulação da agregação das plaquetas, facilitando a coagulação do sangue. Quando os AINES a inibe, reduz a capacidade de coagulação do sangue.

Em razão dos efeitos gástricos:

  • Os AINES devem ser precedidos pelo uso um protetor gástrico tipo omeprazol ou similar.
  • Não tome o anti-inflamatório com o estômago vazio.
  • Não use bebidas alcoólicas durante o tratamento.
  • Não misture anti-inflamatórios diferentes no mesmo tratamento porque eles podem potencializar os efeitos colaterais uns dos outros.
  • Além disso, também é importante não usar o anti-inflamatório por mais de 10 dias seguidos.
  • Nunca usar anti-inflamatórios sem prescrição e orientação de um médico.
  • Sempre avisar ao seu médico assistente quando estiver usando qualquer tipo de anti-inflamatório.

Devido aos efeitos sobre a coagulação do sangue:

  • Os AINES podem ser perigosos em pacientes com elevado risco de hemorragia ou que vão ser submetidos a alguma cirurgia. Em geral, os AINES devem ser suspensos dias antes de qualquer operação.

De todos os AINES, o AAS (ácido acetilsalicílico) é o que exibe maior efeito antiagregante sobre as plaquetas. Por outro lado, esse efeito colateral frequentemente é aproveitado nos pacientes com elevado risco de infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral. Principalmente o AAS costuma ser usado como antiagregante plaquetário. Infelizmente, também com graves efeitos colaterais.

 

Veja ainda:

Publicada em 09/11/2017 as 01:36

Corrimento: saiba identificar quando ele indica alguma doença

Aquela secreção que aparece na calcinha pode sinalizar encrencas sérias. Conheça os problemas por trás disso e aprenda a diagnosticá-los.

Publicada em 09/11/2017 as 01:30

O que é cirrose – causas, sintomas e tratamento

Conheça os sinais, os fatores de risco e o tratamento dessa lesão no fígado, muito ligada ao excesso de bebidas alcoólicas e à obesidade.

Publicada em 09/11/2017 as 00:38

Microfisioterapia - um caminho suave para quem sofre com a F08/ibromialgia

A Fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta principalmente com dores difusas pelo corpo.

Publicada em 08/11/2017 as 19:17

Prescrição para o toque: experiências iniciais formam o cérebro dos bebês prematuros

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores recrutaram 125 bebês nascidos prematuros com idade gestacional de 24 a 36 semanas e bebês nascidos de 38 a 42 semanas.

Publicada em 08/11/2017 as 17:11

Consequências de dormir tarde na adolescência

Os apelos eletrônicos e sociais têm contribuído para uma alteração nos padrões de sono de uma população mundial cada vez mais cosmopolita.

Autor: abc.med.br
Fonte: abc.med.br

Comente com o Facebook