Publicada em 14/03/2014 às 09:52

Avião sumido teria voado por centenas de quilômetros fora da rota

Segundo fontes dissera à Reuters, isso reforça a hipótese de crime. Aeronave com 239 pessoas a bordo sumiu entre Kuala Lampur e Pequim.

Dados obtidos por radares militares sugerem que o avião da companhia Malaysia Airlines que desapareceu há quase uma semana voo deliberadamente por centenas de quilômetros fora de sua rota, elevando a suspeita de que o sumiço possa ter sido criminoso, informaram fontes à agência Reuters nesta sexta-feira (14).

As análises dos dados sugerem que o avião, que levava 239 pessoas a bordo, saiu de sua rota original a nordeste, de Kuala Lampur a Pequim, e seguiu para o oeste, usando rotas normalmente usadas por voos para o Oriente Médio e a Europa. As informações foram dadas por fontes envolvidas nas investigações do desaparecimento do Boeing 777.

Duas fontes disseram que uma aeronave ainda não identificada que os investigadores acreditam ser o avião desaparecido estava seguindo uma rota entre pontos de navegação no noroeste quando foi captado por radares pela última vez.

Isso indica que ou os pilotos ou alguém com conhecimento de avião pilotava o avião.

VALE ESTE 2 - mapa avião desaparecido malásia (Foto: Arte/G1)

A última informação recebida pelos radares militares indica que o avião estava voando em direção às Ilhas de Andamão, na Índia. As buscas foram estendidas para a região, mas nada foi encontrado por enquanto.

Uma terceira fonte informou que as investigações estão cada vez mais focadas na teoria de que alguém que sabia pilotar desviou o voo deliberadamente.

“O que podemos dizer é que estamos investigando sabotagem, com sequestro do avião”, disse a fonte, um oficial sênior da polícia da Malásia.

As três fontes ouvidas pela Reuters não quiseram ser identificadas por não serem autorizadas a darem informações sobre as investigações.

O Ministério do Transporte da Malásia, órgão oficial das investigações, não retornou as ligações da agência para comentar o assunto.

A polícia malaia disse anteriormente que estava investigando se algum dos passageiros tinha problemas pessoais ou psicológicos que poderiam estar ligados com o desaparecimento do avião, além da possibilidade de sequestro, sabotagem ou problema mecânico.

Autor: G1.COM
Fonte: G1.COM

Comente com o Facebook