Publicada em 18/05/2017 às 12:44

A difícil escolha entre o saboroso e o saudável

Opções que muitas vezes vêm associadas a um dilema: a satisfação imediata proporcionada pelo paladar ou o bem-estar e saúde duradouros produzidos pelos alimentos sabidamente saudáveis.

A difícil escolha entre o saboroso e o saudável | ABC da Saúde

Ao escolher os alimentos que vão consumir as pessoas se defrontam com opções que muitas vezes vêm associadas a um dilema: a satisfação imediata proporcionada pelo paladar ou o bem-estar e saúde duradouros produzidos pelos alimentos sabidamente saudáveis.

A epidemia mundial de obesidade e diabete tipo II, com suas nefastas consequências para a saúde e consequente redução do tempo de vida, fez com que os formuladores de políticas de saúde em todo o mundo produzissem um grande número de campanhas de conscientização por uma alimentação mais saudável. No entanto, estas campanhas têm se demonstrado ineficazes na contenção do crescimento destas doenças.

Para tentar esclarecer as possíveis razões para o fracasso destas campanhas foi realizado um interessante estudo que expõe o conflito entre o saudável e o saboroso. A análise centrou-se nos aspectos intuitivos e cognitivos envolvidos na escolha do alimento. A pesquisa foi publicada na última semana na revista Journal of Public Policy & Marketing.

No estudo os participantes podiam escolher entre iogurtes com diferentes quantidades de açúcar e gordura. Os resultados revelam que o fato do indivíduo saber a composição e o potencial dano que aquele alimento pode causar à saúde não é suficiente para ele definir a sua escolha.

Mesmo entre os participantes que previamente apresentavam uma preocupação em ingerir alimentos saudáveis, o principal fator que guiou as escolhas foi o sabor. Esta tendência foi mais acentuada naquele grupo que não tinha preocupação prévia em saber se o alimento era saudável ou não. A escolha consciente depende de um controle cognitivo que, no mais das vezes, é superado por um processo intuitivo que faz a opção pelo mais saboroso.

O fator determinante sobre a escolha de um alimento é o sabor, independente se a pessoa é preocupada ou não com o efeito deste alimento sobre a saúde. E, o que é pior, aumentar a conscientização sobre os efeitos do tipo de alimento aparentemente não influencia na escolha.

O que fazer então? Ficamos à mercê da nossa intuição atávica pelo mais saboroso ou travamos uma luta contínua usando a razão pelo mais saudável?

Vale lembrar que esta questão está associada aos alimentos industrializados (que nos estilo de vida atual é a forma preponderante de alimentação) e, para conquistar seus clientes, a indústria alimentícia, por meio da química, está provocando cada vez mais nossa intuição.

Ainda bem que os nossos bons cozinheiros comprovam que não estamos completamente perdidos. É possível sim comer um alimento que ao mesmo tempo é saudável e saboroso. Qual é o segredo? - Quanto menos industrializado o alimento, melhor!

Veja ainda:

Publicada em 18/05/2017 as 12:34

Aproveitamento de consultas na Policlínica Oswaldo Cruz em Porto Velho é superior a 70%

No total, 268.888 consultas foram agendadas – com dia e hora pelo setor de regulação da policlínica, de janeiro a dezembro do ano passado.

Publicada em 18/05/2017 as 11:32

Apenas 53% do público-alvo foram vacinados contra a gripe em todo o país

A meta do governo é vacinar 90% desse grupo até o dia 26 de maio.

Publicada em 18/05/2017 as 09:51

Hipospádia: o que é? Como é feita a correção?

É um defeito congênito, portanto já presente no momento do nascimento, e constitui a mais frequente anomalia da genitália externa masculina.

Publicada em 17/05/2017 as 16:29

Pode a humanidade sobreviver à medicina?

Edição inédita em português da obra do médico francês Michel Odent será lançada em São Paulo.

Publicada em 17/05/2017 as 15:22

Reflexo visual infantil: precisão pode melhorar com a idade

A literatura que se debruça sobre os movimentos oculares dos bebês é muito escassa. Baseia-se em estudos dos anos 70 e 80 com base em algumas observações coletadas de algumas crianças, o que torna as conclusões frágeis.

Autor: abcdasaude.com.br
Fonte: abcdasaude.com.br

Comente com o Facebook