Acre registra mais de 230 homicídios dolosos nos primeiros meses de 2018, aponta relatório do MP-AC

107

Acre registrou uma média de 35 vítimas de homicídios dolosos por mês até o dia 9 de julho deste ano. Ao todo, nesse período, o estado teve 231 homicídios. Os dados fazem parte do informativo mensal divulgado pelo Ministério Público do Acre (MP-AC).

A Secretaria de Segurança Pública do Acre (Sesp-AC) informou que, no primeiro semestre desse ano, o Acre registrou 211 homicídios. A maioria, 118 mortes, somente em Rio Branco, totalizando 32 a menos em comparação com o mesmo período de 2017.

A Sesp-AC destacou que, analisando os dados de forma mais detalhada, é possível perceber que o crime se interiorizou, tendo uma redução de homicídios na capital e aumento em Cruzeiro do Sul. A motivação seria o domínio das rotas de tráfico do Peru para o Juruá. Para combater a violência, a Sesp-AC reforçou o policiamento com 140 policiais por noite por tempo indeterminado.

Apesar dos números, segundo o informativo, o estado apresentou uma redução 6,9% no número de vítimas homicídios dolosos em comparação com o mesmo período de 2017. No ano passado, a média era de 42 mortes violentas por mês.

 MP-AC divulgou informativo de homicídios dolosos em 2018 no estado (Foto: Reprodução/MP-AC)

MP-AC divulgou informativo de homicídios dolosos em 2018 no estado (Foto: Reprodução/MP-AC)

Em Rio Branco, conforme o informativo, houve 160 homicídios neste período em 2017 contra 132 em 2018. A redução foi de 17,5%. Mesmo assim, a capital concentra mais de 50% das ocorrências.

Já na segunda maior cidade do estado, Cruzeiro do Sul, o aumento percentual foi de 100% no número de homicídios. No ano passado foram 18 mortes no período analisado, este ano já foram registradas 36.

Os municípios de Santa Rosa, Marechal Thaumaturgo, Manoel Urbano e Porto Walter não noticiaram casos de homicídios dolosos este ano.

Outro dado analisado pelo informativo do MP-AC foi o número de mortes dentro de presídios do Acre. Segundo o levantamento, houve uma redução de 85% nesse tipo de caso. Em 2017 foram sete homicídios dolosos em unidades prisionais, este ano o registro foi de apenas um.

No entanto, o órgão destacou que houve duas ocorrências com três vítimas que, mesmo que não tenham sido mortas dentro do presídio, haviam acabado de sair da unidade de regime semiaberto.

No período de três anos, de 2015 a 2017, o aumento na taxa de homicídios por 100 mil habitantes no Acre aumentou em 155%. Em Rio Branco, essa taxa saiu de 32,4 homicídios por 100 mil habitantes em 2015 para média 80,1 em 2017.

Armas usadas

As armas de fogo representam 77% dos instrumentos utilizados em homicídios dolosos no Acre até 9 de julho deste ano. Esse percentual era de 65% durante o ano de 2016.

As armas brancas aparecem em segundo lugar com porcentagem de 17%. Outros instrumentos representam 5%.

Ao todo, 51% dos casos registrados em 2018 tem autoria conhecida e foram elucidados. O restante, 49% ainda possuem autoria desconhecida e seguem em investigação.

Armas de fogo foram os instrumentos mais usados em homicídios dolosos (Foto: Reprodução/MP-AC)

Armas de fogo foram os instrumentos mais usados em homicídios dolosos (Foto: Reprodução/MP-AC)

Elucidação do crime

O informativo destaca que é possível perceber que a elucidação dos crimes reduziu nos últimos três anos. Porém, o aumento no volume de casos e falta de recursos humanos destinados às investigações nas delegacias pode justificar a redução.

Outro fator que dificulta a obtenção de resultados, conforme o relatório, é a mudança de relação entre a vítima e o autor. Até 2013, em regra, havia uma proximidade entre os envolvidos, mas isso mudou com a ação de organizações criminosas no estado.

As principais motivações para os homicídios dolosos, nos casos de janeiro até 9 de julho de 2018, foram drogas ou acerto de contas com total de 159 casos. A frequência relativa em que essa motivação é usada para o crime é de 68,8%.

Os homicídios por motivação indeterminada aparecem em segundo lugar, total de 8,7%. Em seguida aparecem intervenção policial (5,6%), motivo fútil (4,8%), bebedeira (4,3%), vingança (2,6%), passional (2,2%) e feminicídio (1,3).

O levantamento aponta que, até 9 de julho, houve o registro de apenas um homicídio em que a pessoa errada foi assassinada, representando 0,4% do total de mortes no período. Rixa, ciúmes e legítima defesa aparecem com o mesmo percentual.

Maioria das vítimas são homens

A maioria das vítimas assassinadas são homens. Nesses quase 7 meses de 2018 morreram 209 homens no Acre, o que representa 90% das mortes. No mesmo período, 22 mulheres, total de 10%, sofreram homicídios dolosos.

A faixa etária em que houve mais mortes é de jovens entre 18 e 24 anos. Em relação aos autores identificados, ao menos 44% eram menores de idade.

Maioria das vítimas de homicídios dolosos são homens, segundo relatório (Foto: Reprodução/MP-AC)

Maioria das vítimas de homicídios dolosos são homens, segundo relatório (Foto: Reprodução/MP-AC)

Compartilhe: