Conectado por

Agronegócios

A virtude da ciência agronômica nos agrotóxicos


Compartilhe:

Publicado por

em

Por Xico Graziano, engenheiro agrônomo, doutor em Administração e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Se todas as escolas fizessem como o Colégio La Salle São João, de Porto Alegre, ganharia a ciência agronômica. E perderia o achismo.

A história é a seguinte: há vários anos, o conceituado colégio gaúcho realiza um projeto intitulado “Júri Simulado”. Nele, se objetiva debater um tema central, selecionado previamente. Utilizando-se da regra jurídica, o grupo organiza a promotoria e a defesa. Os alunos adoram participar.

Em 2022, o tema escolhido foi “o uso dos agrotóxicos no Brasil”. O grupo da defesa convidou o professor da Esalq/USP e engenheiro agrônomo José Otávio Menten para ajudar na construção de sua tese, favorável ao controle químico de pragas na agricultura.

O professor Menten, que também coordena o CCAS (Conselho Científico Agro Sustentável), mostrou aos alunos qual é a legislação e quais são as exigências de práticas agrícolas corretas para o uso de pesticidas. Lecionou segundo manda a boa agronomia.

Por sua vez, os contendores da promotoria argumentaram sobre os perigos do uso de pesticidas sobre a saúde humana e sua interferência no meio ambiente. Segundo eles, os agrotóxicos deveriam ser proibidos.

Estava posta a questão.

Fatos e informações, de ambos os lados, foram colocados na mesa. Apresentadas alegações, e debatidos os pontos de vista, passou-se à votação. Nessa 8ª jornada do Júri Simulado, a defesa venceu por 5 votos contra 2 votos.

Conclusão: fazendo-se o uso agronômico recomendado, e cumprindo as exigências legais, aquele Júri Simulado permitiu o uso de pesticidas para combater pragas agrícolas.

Manuela Valim, estudante do 3º ano do ensino médio, que representava o grupo da defesa, destacou a importância dos ensinamentos científicos do professor Menten. Este, por sua vez, mostrou-se satisfeito por contribuir para desmistificar falsas afirmações sobre o agro nacional. Ponto para ambos.

A grande lição trazida pelo Colégio São João reside na valorização do conhecimento científico para ajudar no processo de tomada de decisões que, muitas vezes, se pauta pelo achismo. Quando não, pela maledicência.

Neste caso, o assunto era o uso de pesticidas (ou agrotóxicos). Mas poderia, igualmente, ser a engenharia genética, que cria os organismos transgênicos, ou os aditivos químicos, utilizados na indústria alimentar. Ou para o leite sem lactose.

Vale para qualquer outra questão polêmica, do agro ou fora dele: só o conhecimento científico deve, isso quando o consegue, dirimir dúvidas que são normais em qualquer processo de evolução tecnológica.

Infelizmente, a maioria das escolas do país não procede como o Colégio La Salle São João, de Porto Alegre. Professores despreparados, uns tendenciosos, realizam verdadeira doutrinação nos alunos, apontando mazelas históricas da nossa agropecuária sem mostrar suas virtudes.

Como mostrou o Júri Simulado, no mundo da tecnologia, para cada problema existe uma solução. E, sempre, é necessário ponderar riscos e averiguar alternativas. Os jovens entenderam os dilemas existentes.

Ora, existem metodologias científicas, internacionalmente reconhecidas, que regulam o desenvolvimento, o registro e o uso de ingredientes químicos para uso agrícola. O Brasil segue tais normas, validadas pela FAO/ONU.

Tem gente que faz coisa errada? Tem. Contamina recursos hídricos, intoxica trabalhadores, colhe e manda para o mercado sem respeitar o prazo de carência.

Em todos os setores, ou atividades, há pessoas que não seguem normas, desrespeitam leis, afrontam o bom senso. São pontos fora da curva. Ou imbecis. Ou bandidos.

No agro moderno e tecnológico, porém, conduzido por produtores capacitados, a regra é o uso adequado de pesticidas. Tanto é que as últimas análises da Anvisa, dentro do Para (Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos), mostram que o risco agudo à saúde, por alimentos contaminados, é de 0,89%.

Esse é o fato. O resto é desinformação. Mito.

Assessoria

Publicidade
Governo de Rondônia
Betfair
ÓTICA DINIZ
Online Cassino


Desenvolvimento